Há um novo site para denunciar maus tratos a animais nos Açores, em Portugal

Há um novo site para denunciar maus tratos a animais nos Açores, em Portugal

Há uma nova forma de denunciar online maus tratos e abandono de animais nos Açores. O site SOS Animal Açores, criado pelo Governo Regional, permite a qualquer cidadão submeter fotografias e descrições de casos de abusos registados no arquipélago. 


No formulário online de registo de ocorrência é possível deixar o nome e um contacto, “desencadeando um processo de verificação e encaminhamento para as autoridades competentes na matéria”, explica João Ponte, secretário regional da Agricultura e Florestas do executivo, citado em nota de imprensa. A denúncia também pode ser anónima. 

Em 2019, a GNR recebeu 4142 queixas de maus tratos e abandono de animais através da Linha SOS Ambiente (808 200 520), dos postos territoriais ou durante acções de patrulhamento e fiscalização. Segundo dados recolhidos pelo Jornal de Notícias, em 2019 as autoridades portuguesas investigaram uma média de 5,4 novos casos de violência contra animais por dia. Foram abertos 1993 inquéritos por crimes contra animais de companhia, uma descida global face a 2018, em que as autoridades abriram 2055 inquéritos. 

A PSP criou em 2015 o número 21POLICIA (21 765 42 42) e o email defesanimal@psp.pt​ para o esclarecimento de dúvidas ligadas a este tipo de casos e para denúncias de situações de maus tratos. No site da GNR é possível registar uma violação da lei ambiental ou animal através de um formulário. 

Desde Junho que os Açores têm uma base de dados regional para os centros de recolha oficiais registarem os animais de companhia e errantes (RACE), que será alargada à administração local, forças de segurança e clínicas veterinárias, lê-se ainda na nota.  

Por Renata Monteiro

Fonte: Público / mantida a grafia lusitana original


Nota do Olhar Animal: Será que funcionará para denúncias relativas às corridas de touros? Os maus-tratos são inerentes a essa prática odiosa e retrógrada.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.