Havaí prestes a proibir a importação de animais silvestres para entretenimento

Tradução de Ana Lidia

O governador do estado do Havaí (EUA), David Ige, anunciou, na quinta-feira, que planeja acabar com a prática de trazer animais silvestres ao estado para fins de entretenimento.

A mudança pode fazer com que a apresentação dos três ursos aguardados para 50a Feira Estatual deste verão seja a última deste tipo no estado, anunciou o Honolulu Star Advertiser (http://bit.ly/1dSsJCc).

“Infelizmente, a decisão (de Ige) chegou tarde demais para os três ursos, que já estão a caminho da Flórida para o Havaí”, disse Inga Gibson, diretora estadual da Humane Society (Sociedade Humanitária) dos Estados Unidos, por meio de nota.

“Estes três ursos representam agora o capítulo final na história do nosso estado de permitir tão ultrapassadas e desnecessárias exibições,” disse.

Ainda não está claro se o proibição do Havaí incluirá animais como golfinhos, leões marinhos e pinguins, que são importados para apresentações em grandes aquários.

Muitas organizações de direitos dos animais, incluindo a Humane Society, pressionaram para a proibição e trabalharão junto ao Departamento de Agricultura do estado para mudar as normas.

Até então, é esperado que o estado simplesmente rejeite os pedidos de licença.

As organizações de direito dos animais disseram que mais de 40 (quarenta) estados americanos e 30 (trinta) países, atualmente, proíbem a utilização de animais silvestres em circos e exibições semelhantes.

A presidente do “Direitos dos Animais” do Havaí, Cathy Goeggel disse que tal ação deveria ter sido tomada há 20 anos.

Naquela época, um elefante de circo chamado Tyke matou pisoteado seu treinador, feriu gravemente um faxineiro, e saiu correndo pelas ruas de Kakaako, antes de ser baleado por policiais 87 vezes.

Fonte: Times Union

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.