Índia: Proibição do sacrifício de animais continua. Ministro-chefe diz que governo aguarda decisão da Suprema Corte

Por Ashwani Sharma / Tradução de Alice Wehrle Gomide

O governo de Himachal Pradexe, um estado da Índia, excluiu na quarta-feira dia 25 a possibilidade de aprovar qualquer lei ou promulgar um decreto contra a proibição do sacrifício de animais no estado. A proibição foi imposta pelo Tribunal Superior no ano passado devido a uma PIL (Litigação de Interesse Público) solicitada por Sonali Purewal, uma ativista de direitos animais e mais dois requerentes.

O Ministro-Chefe Virbhahdra Singh informou à Assembleia Estadual que Maheshwar Singh, um membro da Assembleia Legislativa de Kullu, e outros membros abriram uma SLP (uma petição especial exercida quando uma enorme injustiça foi feita) na Suprema Corte contra as ordens do Tribunal Superior, e o governo logo apresentará seu ponto de vista sobre a situação.

“Não há nenhuma ação para apresentar uma petição de revisão ou aprovar qualquer legislação. O governo vai aguardar a ordem da Suprema Corte.”, disse Singh.

Ravinder Ravi, membro da Assembleia Legislativa pelo partido BJP e ex-ministro, levantou a questão e lembrou o Ministro-Chefe sobre sua declaração durante o festival Mandi Shivratri, onde ele falou sobre um decreto proposto para dar alivio às pessoas que acreditam em continuar com a tradição do sacrifício de animais durante feiras e festivais.

Entretanto, o Ministro-Chefe negou tal declaração. “Bom, eu nunca dei essa declaração. E também, eu não posso ser responsável pelo que qualquer jornal escreve sobre mim”, ele esclareceu.

No entanto, o Ministro-Chefe lamentou que essa proibição abranja somente uma comunidade (Hindus) enquanto há outras religiões em que tal coisa (o sacrifício de animais) sempre predominou. “Há a questão de por que somente uma comunidade foi proibida e outras continuam com a prática. A proibição imposta pelo Tribunal Superior não abrange somente animais como ovelhas e cabras, mas também pássaros”, ele disse.

Fonte: The Indian Express

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.