Homem é preso por maus-tratos contra cão usado em caçadas, em Itapemirim, ES

Homem é preso por maus-tratos contra cão usado em caçadas, em Itapemirim, ES
Foto: Divulgação | CPI Maus-tratos

Um homem foi preso em flagrante na zona rural do município de Itapemirim, nesta terça-feira (27). Ele é acusado de cometer o crime de maus-tratos contra um cachorro da raça beagle. No local, além do animal acorrentado, a polícia encontrou miúdos de boi.

A residência foi encontrada durante uma operação conjunta entre a CPI dos Maus-Tratos contra os animais, Polícia Civil e equipes de Controle de Zoonoses e Vigilância Sanitária do município.

Seguindo o delegado Edson Lopes, da Delegacia Regional de Itapemirim, no local, foi encontrado um cachorro acorrentado, sem água e comida e com escoriações na face. A suspeita é de que o animal era utilizado para caça.

Foto: Divulgação | CPI Maus-tratos
Foto: Divulgação | CPI Maus-tratos

Na residência, também foram recolhidos um pássaro trinca-ferro, oito galos de briga e miúdos de boi. 

“O cachorro foi levado para o Centro de Zoonoses para receber os cuidados. O pássaro foi enviado para a Polícia Ambiental, para que seja solto na natureza, e os galos tinham ferimentos de animais utilizados em rinhas e foram encaminhados para o hospital veterinário, na Serra”, explicou o delegado.

Em depoimento, o suspeito negou que teria cometido maus-tratos contra o cachorro, fato que foi negado e constatado por uma veterinária no local da ocorrência.

“A situação de maus-tratos foi atestada pela veterinária Nazian Gava, que participou da operação. O dono da casa, um autônomo de 53 anos, foi levado para delegacia de Itapemirim onde será ouvido pelo delegado Edson Lopes Junior”, declarou a deputada Janete de Sá, presidente da CPI.

O homem foi autuado pelo crime de maus-tratos e será encaminhado para o Centro de Detenção Provisória de Marataízes (CDPM), ficando à disposição da Justiça.

As denuncias de maus-tratos contra os animais podem ser feitas a CPI pelo e-mail [email protected].

Fonte: Folha Vitória

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.