Homem é preso suspeito de atirar em cadela ‘que o incomodava’, em Rio Verde, GO

Homem é preso suspeito de atirar em cadela ‘que o incomodava’, em Rio Verde, GO
Homem é preso suspeito de atirar em cachorra ‘que o incomodava’, em Rio Verde — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Um homem foi preso pela suspeita de atirar em uma cadela em uma chácara na zona rural de Rio Verde, no sudoeste de Goiás. Segundo a Polícia Civil, o suspeito informou aos policiais que atirou na cadela porque ela o incomodava e incomodava as galinhas que ele criava.

O caso ocorreu na última terça-feira (4). Uma equipe da Polícia Militar Ambiental foi acionada após a denúncia de vizinhos.

Segundo a delegada responsável pelo caso, Taísa Antonello, o suspeito informou que pessoas abandonam vários cães nas proximidades da chácara em que vive. Ele disse que que pegou a arma emprestada com um conhecido apenas para atirar na cadela, pois queria apenas “assustá-la”.

“Ele falou que a cadelinha estava o incomodando e querendo pegar as galinhas dele. O tiro acertou na pata dianteira, quebrou o osso. A bala ficou alojada dentro da perna dela. O que a gente quer pedir à população é que as pessoas tenham consciência de que maus-tratos aos animais é crime e tem pena de até um ano de prisão. Se você vir um animal passando fome, tente ajudar o animal”, ressaltou a delegada.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o homem continua preso e a arma calibre 22 foi apreendida. Ele deve responder pelos crimes de posse irregular de arma de fogo e pelo crime ambiental de maus-tratos a animais.

Busca por um novo lar
 
Já a cachorrinha foi encaminhada até uma clínica veterinária e passa bem. Ela deve ficar por lá até a polícia encontrar uma pessoa para adotá-la.

A Polícia Civil informa que quem tiver interesse em abrigar a cadela deve ligar para a Central de Flagrantes de Rio Verde, por meio do telefone (64) 3620-0985.

https://youtu.be/IwQ2fexqIYA

Por Jamyle Amoury estagiária, sob orientação de Elisângela Nascimento

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.