Homem enfrenta acusações de crueldade animal por matar seu cachorro pela carne na Coreia do Sul

Homem enfrenta acusações de crueldade animal por matar seu cachorro pela carne na Coreia do Sul
Foto: The Korea Herald/ANN

A polícia sul-coreana disse na sexta-feira (14 de junho) que um homem de 60 anos, está sendo investigado por violação potencial da Lei de Proteção Animal, pois eles acreditam que ele matou um dos seus cães pela carne.

O homem, um residente da Ilha de Jeju, é acusado de abater um cachorro de sua propriedade, por volta das 22h, na quarta-feira (12 de junho) em seu pomar, de acordo com a Delegacia de Polícia de Jeju Dongbu.

Um grupo local de direitos dos animais alertou a polícia, mas o cachorro já tinha sido morto quando os policiais chegaram no local.

Os policiais encontraram no local um machado e uma faca de cozinha, que supostamente teriam sido usadas para abater o animal.

Dois outros cachorros que o homem possuía foram temporariamente colocados sob custódia de um grupo de direitos dos animais.

A Lei de Proteção Animal da Coreia do Sul proíbe matar um animal por método cruel ou sem causa justificável.

O homem disse aos policiais que ele planejou fazer bosintang, uma sopa tradicional coreana que usa carne de cachorro como ingrediente principal.

Bosintang, que há muito tempo tem sido objeto de controvérsia, está em uma área legal cinzenta na Coréia do Sul.

Ao longo da história coreana, cães têm sido considerados animais de pecuária, como porcos e vacas. Assim, a lei pecuária atualmente define os cachorros dentro da pecuária.

Mas a Lei de Proteção Animal, promulgada em 1991, define os cachorros como animais de estimação, levando a interpretações contraditórias da lei por parte de defensores e opositores à carne de cachorro.

O governo em janeiro agiu para resolver a contradição aprovando um projeto de lei que proibiria a criação e o abate de cachorros para produção de carne, juntamente com a distribuição e o consumo de carne de cachorro, que entrará em vigor em 2027.

Por Yoon Min-Sik / Tradução de Fátima C. G. Maciel

Fonte: The Star

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.