Homem flagrado em vídeo carneando sucuri de cinco metros é procurado por fiscais ambientais na BA

Homem flagrado em vídeo carneando sucuri de cinco metros é procurado por fiscais ambientais na BA
Foto: Reprodução/ Youtube

Autoridades ambientais de Santa Cruz Cabrália estão à procura de um morador do bairro Campo Verde flagrado em um vídeo tirando o couro de uma sucuri para aproveitar a carne. A vizinha do homem, que aparece na imagem ajudando a segurar o animal silvestre, também poderá ser responsabilizada caso seja configurado o crime ambiental, afirmou o secretário de Meio Ambiente de Cabrália, Fernando Ricaldi.

O vídeo, feito no último domingo (7) pelo caçador na sua própria casa, foi publicado no grupo familiar nas redes sociais, mas acabou vazando. Segundo informações, ele seria pescador artesanal.

A equipe ambiental da prefeitura esteve na segunda (8) e nesta terça-feira (9) na casa onde foi feita a filmagem, mas o caçador não foi encontrado, tampouco a vizinha. No local também não foram achados vestígios do couro ou da carne da serpente.

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS – A caça de animais silvestres, como a sucuri, é proibida no Brasil, com pena prevista de seis meses a três anos de detenção para esse tipo de crime. No entanto, a legislação permite a captura desses animais por populações tradicionais, como quilombolas e indígenas, desde que seja para subsistência.

Por isso, os fiscais ambientais do município querem ouvir a versão do pescador artesanal para entender se o que ele fez configura crime ou se atende aos requisitos para ser considerado consumo de subsistência, apesar de existirem diversos mercados no bairro Campo Verde onde o pescador poderia adquirir carne para consumo, de forma fácil e legalizada, sem a necessidade de matar um animal silvestre.

SUCURI LEVA ANOS PARA CHEGAR NESSE PORTE – De acordo com o herpetólogo (especialista em répteis e anfíbios) Luiz Norberto Weber, professor associado da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), a sucuri que aparece no vídeo é do gênero Eunectes, mais encontrada em lagoas e charcos próximo ao litoral, inclusive no Extremo Sul da Bahia.

O especialista estima que o animal media aproximadamente cinco metros. Weber lamentou o crime ambiental e disse que uma sucuri leva muitos anos para chegar nesse porte.

Fonte: Radar 64 via Acorda Cidade