Homem que teria matado a pancadas o animal de estimação de sua parceira foi preso

Homem que teria matado a pancadas o animal de estimação de sua parceira foi preso
A tutora do cachorrinho reclamou com seu parceiro e ele a agrediu, de acordo com a Promotoria Promotoria

Num comunicado de imprensa, a Procuradoria Geral da Nação informou que conseguiu a judicialização de um sujeito identificado como Francisco Erney Villota Basante, que é acusado de agressão física e psicológica contra sua parceira em Pasto, a capital de Nariño. Além disso, de acordo com as informações compartilhadas pelo órgão acusador, Villota Bisante teria causado a morte do animal de estimação de sua parceira.

“De acordo com a investigação, em 13 de dezembro de 2023, o réu de hoje estava cuidando do animal de estimação, uma cadela chamada Abby. No entanto, ele começou a ligar insistentemente para a mulher e a insultá-la porque ela estava demorando para chegar em casa. Finalmente, em um ato de intolerância, ele teria agredido gravemente o animal de estimação, causando graves politraumatismos,” afirmou o órgão acusador em seu comunicado à imprensa.

E avisou que Villota Bisante foi quem, com as próprias mãos, levou o corpo de Abby para uma clínica veterinária. Depois, a parceira sentimental do sujeito chegou ao centro de saúde e o confrontou por ser o suposto responsável pela morte de sua cachorrinha.

Perante as reclamações, o Villota Bisante teria reagido com violência e, segundo o Ministério Público, teria dado vários socos na mulher.

“A Promotoria detalhou que, após esse episódio, até março do ano em curso, o agressor em questão teria assediado a mulher e entrado em contato por mensagens instantâneas para tentar persuadi-la a não registrar a denúncia.”

Por sua vez, foi revelado que um dos promotores do Centro de Atendimento e Pesquisa Integral contra a Violência Doméstica (CAVIF) da seccional de Nariño imputou a Villota Basante dois crimes diferentes: violência doméstica e maus-tratos a animais.

E concluiu apontando que um juiz de controle de garantias decidiu que o homem terá que cumprir uma medida de asseguramento em estabelecimento prisional.

Por Sebastian Ramirez

Fonte: Metro

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.