Homem quebra patas de cão com taco de sinuca no RJ

Homem quebra patas de cão com taco de sinuca no RJ

Animal passou por cirurgia para colocação de pinos, mas ainda corre o risco de ter duas patas amputadas

rj saogoncalo feroz1

O cãozinho Feroz foi agredido brutalmente por um vizinho em São Gonçalo, na região Metropolitana do Rio de Janeiro. O animal teve as patas dianteiras quebradas com um taco de sinuca após fugir de casa. O caso ocorreu no dia 13 de fevereiro. Segundo a tutora do cachorro, Silvânia Figueiredo, ele passou por um cirurgia para colocação de pinos, mas ainda corre o risco de ter duas patas amputadas.

Essa foto mostra como o animal ficou após ser agredido agredido com um taco de sinuca. As patinhas ficaram completamente tortas. Outro vizinho socorreu Feroz e levou o cão ferido para o veterinário. Indignado, João Batista contou que ficou impressionado com tamanha brutalidade.

— Foi uma maldade muito grande o que fizeram com ele.

De acordo com Batista, o resultado do exame de raio-X mostrou que o animal foi agredido com muita violência.

— As duas patas foram quebradas com muita força, violência e crueldade. Os ossos treparam um por cima do outro.

A tutora do cão contou que procurou o agressor para saber o que havia ocorrido. De acordo com Silvânia, o homem disse que usou o taco apenas para espantar o animal, já que ele também tem outros cachorros em casa. Porém, a mulher está revoltada com a situação e diz que vai lutar por Justiça.

— Ele vai ter que pagar. Não sei o que a lei vai determinar, mas alguma coisa precisa ser feita.

O caso foi registrado na Delegacia de Rio do Ouro (75ª DP) como crime ambiental. O agressor não foi localizado pela equipe de reportagem do Balanço Geral.

Em recuperação, o animal ainda tem dificuldade para se locomover. Em alguns momentos, ele chega a andar apenas com as patas traseiras.

De feroz, o animal só tem o nome. O cachorro, que ainda vai completar um ano, é muito dócil e adora um carinho.

Fonte: Tribuna Hoje

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.