Homem recebe multa de R$ 18 mil por maus-tratos após cortar orelhas de cachorros em Taubaté, SP

Homem recebe multa de R$ 18 mil por maus-tratos após cortar orelhas de cachorros em Taubaté, SP
Mutilar a orelha dos cães é crime desde 2008. Divulgação/Polícia Ambiental

Um homem foi multado em mais de R$ 18 mil após os cães que ele é dono terem sido encontrados com as orelhas mutiladas. Apesar de ter sido detido, ele vai pagar a multa e responder o processo em liberdade, os cães foram retidos. O processo, que é conhecido como conchectomia, é proibido por lei desde 2008.

De acordo com a PA (Polícia Ambiental), o homem foi identificado após uma série de denúncias de maus-tratos. Os policiais foram até a casa do acusado no bairro Vila das Graças acompanhados de médicos veterinários. Na residência foram encontrados dez cães, dos quais seis estavam com as orelhas mutiladas.

Cometer esse crime é considerado maus-tratos a animais. O homem recebeu multa de R$ 18 mil, R$ 3 mil por cada cachorro mutilado, mas ainda assim ele vai responder o processo em liberdade.

Os cães foram retidos pelo CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) da cidade, onde serão tratados, mas ainda assim o CCZ pode devolver a guarda dos cães ao homem caso entenda que ele tenha condições de cria-los adequadamente.

A ação da Polícia Ambiental faz parte da Operação Floresta Mais Segura, que começou na manhã desta sexta-feira (17) e vai continuar até domingo (19). A ação vai empregar todo o efetivo do Vale do Paraíba, além de usar 450 viaturas, contando carros, barcos e até mesmo drones. O foco da operação é combater os crimes contra o meio ambiente e contra os animais.

Fonte: Meon


Nota do Olhar Animal: A mutilação de animais para fins estéticos (mesmo se praticadas por veterinários) é proibida desde 1934, diferente do que diz a matéria. Mais recentemente, a lei de crimes ambientais (9.605/98) reforçou tal proibição. Então, o Conselho Federal de Medicina Veterinária, após décadas de vistas grossas, emitiu resolução “proibindo” o que já era proibido por leis federais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.