Homem se apresenta como tutor do cavalo Caramelo, mas não consegue ficar com o animal

Homem se apresenta como tutor do cavalo Caramelo, mas não consegue ficar com o animal
Sérgio Padilha com o cavalo que supostamente é o Caramelo — Foto: Reprodução/Rádio Gaúcha

Um comerciante do município gaúcho Canoas se apresentou como tutor do cavalo Caramelo, que passou quatro dias em um telhado durante a enchente que atingiu o Rio Grande do Sul em maio. Sérgio Padilha esteve no Hospital Veterinário da Ulbra, onde o animal se recupera, para tentar reavê-lo, mas não conseguiu comprovar a propriedade. O equino permanece nas instalações da instituição de ensino.

— Comprei ele e acabou ficando para as crianças montarem, porque ele é bem manso. Nem daria pra vender ele, pois tentei por R$ 2 mil e ninguém quis — disse Padilha, em entrevista à Rádio Gaúcha.

Padilha vive da compra e venda sucata e de animais. O Caramelo foi adquirido há cerca de seis meses, de acordo com o suposto tutor do equino.

Cavalo ilhado em Canoas, Rio Grande do Sul — Foto: Reprodução
Cavalo ilhado em Canoas, Rio Grande do Sul — Foto: Reprodução

Na entrevista, Padilha explicou que precisou sair da chácara onde estavam os animais quando o alagamento aumentou. Ele então colocou o cavalo no local mais alto possível.

A situação de Caramelo mobilizou o país, após a imagem do animal em pé sobre uma casa viralizar nas redes sociais. A popularidade foi tanta que o resgate de Caramelo foi transmitido ao vivo pela televisão. Hoje, ele está sob a tutela do hospital veterinário da universidade, em Canoas, passando por um tratamento para recuperar-se por completo.

— Estávamos em um local sem sinal, nem televisão e quando conseguimos sinal, um amigo contou o que havia acontecido com ele. Ficamos agoniados acompanhando, depois que conseguimos uma TV — afirmou Padilha.

VÍDEO: Resgate de cavalo no RS: vídeo mostra remoção do animal pelos bombeiros de São Paulo

O comerciante admite que não ter documento mencionando ser o dono de Caramelo. No entanto, se comprometeu a providenciar a documentação junto ao antigo proprietário. Ele ficou também de obter um recibo e testemunhas para comprovar a propriedade e obter a liberação do cavalo.

Padilha disse ainda que pretende vender Caramelo. Sua ideia é leiloar o equino e usar os recursos arrecadados para ajudar a vila onde vive, no bairro Mathias Velho. Outro objetivo é usar o dinheiro para recuperar parte do prejuízo que teve com a inundação.

Fonte: O Globo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.