Arquivo pessoal / Anisia se dedica à proteção animal há 25 anos

Homens levam carro de protetora cheio de animais em Gravataí , RS

Era mais um dia de dedicação à proteção animal na vida da protetora Anisia da Glória. Moradora de Glorinha, a professora aposentada dedica a vida a cuidar daqueles que são abandonados há 25 anos. Na última quinta-feira (14), ela tinha levado 15 cães e gatos para a castração. Estava deixando os bichinhos com os seus tutores quando foi abordada por dois homens armados. “Eu doo os animais e sigo acompanhando. Quando chega a hora da castração, vou nas casas, pego e levo para castrar. Se os donos têm condições, eles me ajudam com os custos. Estava no bairro São Vicente, em Gravataí, entregando alguns quando os homens chegaram anunciando o assalto. Na hora não entendi o que acontecia e só pensei nos bichos”, conta.

Anisia diz que foi o tutor do animal que ela acabara de entregar que a alertou que era um assalto. “Eles mandaram eu descer do carro, mas eu não entendi. Só falava que tinha cachorro e gato ali dentro. Tentei salvar alguns, comecei a puxar as caixas para fora e consegui pegar a minha bolsa, mas eles arrancaram o carro e saíram com as portas abertas”, acrescenta.

A Doblô branca não foi mais vista, e a protetora entrou em desespero. “Minha preocupação naquele momento eram os bichos”. A Brigada Militar foi acionada e uma grande corrente de pessoas se formou para encontrar os animais. Ainda na noite de quinta, as caixas de transporte com os animais dentro foram encontradas na Avenida Otávio Schemes, próximo ao Parque de Rodeios.

Por sorte, os cerca de dez animais foram recuperados. “A Brigada Militar foi excelente. Nos ajudaram a resgatar todos os bichos e eu os entreguei para os donos. Até a caixa de remédios estava lá”, acrescenta.

Carro segue desaparecido

Arquivo pessoal: Carro segue desaparecido
Arquivo pessoal: Carro segue desaparecido
A Doblô branca, cuja placa é ITR 5527, segue desaparecida. Anisia mora em Glorinha em um sítio e trabalha com proteção animal em toda a região. “Sem o carro, não tenho como levar os animais para a castração, fazer o resgate e as feiras. É o meu instrumento de trabalho”, lamenta.

Quem tiver informações do carro, deve informar a Brigada Militar.

Fonte: Diário de Canoas

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.