Homens usam cordas e paus para bater em cavalo no DF e causam revolta nas redes sociais

Homens usam cordas e paus para bater em cavalo no DF e causam revolta nas redes sociais

Autoridades receberam a denúncia e já começaram uma operação para resgatar o animal.

DF bater cavalos

Centenas de pessoas estão revoltadas com as imagens que circulam na internet de um cavalo sendo maltratado, na Fercal, em Sobradinho, região do Distrito Federal. Um homem aparece no vídeo montando no cavalo e dando duas chicotadas no animal. Depois, o bicho se estressa e o agressor continua batendo no animal. Pessoa que estava próxima ao homem chega a comentar que o animal é manso e apenas está incomodado com o peso em cima dele. Mas, em seguida, um outro homem aparece nas imagens e usa um pedaço de pau para continuar batendo no animal.

A ativista Carolina Mourão diz que o ato caracteriza maus-tratos e denominou a ação do tutor como “covardia”.

— O vídeo deixa muito claro os maus-tratos e é uma covardia: o animal é pequeno ainda. Ele foi obrigado a uma doma brutal com dois homens que batem na cara dele o tempo inteiro com pedaços de pau e cordas.

Autoridades da região receberam a denúncia e já começaram uma operação para resgatar o animal. Segundo autoridades do Ibram (Instituto Brasileiro de Museus), a costureira Francisca Guedes, moradora do local onde o animal foi maltratado, disse que comprou o cavalo para dar de presente ao filho e que o homem que aparece nas imagens teria sido contratado para amansar o bicho.

— Realmente ele estava batendo no cavalo e, na hora que eu cheguei, eu falei: desse jeito eu não quero o cavalo aqui.

O cavalo não estava na chácara no momento em que as autoridades chegaram, nem tampouco o agressor foi encontrado. Contudo, ele tem cinco dias para se apresentar, caso contrário, poderá pagar multa de até R$ 30 mil e, se condenado pela justiça, ainda poderá ter que cumprir pena de um ano de prisão.

— Não existe mais aceitação de que o animal vai aprender apanhando. É a mesma coisa com as crianças. É o mesmo tipo de procedimento, você não precisa espancar para a criança aprender alguma coisa, assim como você não tem que espancar o animal para ele aprender alguma coisa.

Fonte: R7

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.