Hospital faz alerta após pombo morrer depois de suposto chá revelação

Hospital faz alerta após pombo morrer depois de suposto chá revelação
Facebook/Reprodução

O evento conhecido como chá revelação ganhou popularidade entre as famílias, mas, em alguns casos, parece estar indo longe demais. Recentemente, no Reino Unido, o Hospital Leicestershire Wildlife, dedicado ao resgate e reabilitação de animais selvagens e pássaros doentes e feridos, fez um apelo nas redes sociais. Na publicação (veja aqui), a instituição pede aos pais que evitem usar animais em chás revelação.

“Ontem, admitimos este pombo que tinha sido tingido de rosa. O pombo provavelmente foi usado para uma festa de revelação de gênero e é absolutamente chocante”, escreveu a instituição no Facebook.

Conforme o texto, a “tendência horrível” afeta negativamente a saúde dos animais — no caso em questão, o pombo morreu. Ele estava desnutrido, desidratado e tinha feridas significativas causadas por um gato.

“Por favor, pense antes de seguir essas tendências das redes sociais. Simplesmente, é um ato de crueldade e não é forma de celebrar o sexo do seu bebé”, pede a instituição.

Riscos

O hospital explica ainda, de acordo com a publicação, que o corante torna as aves um alvo muito mais fácil para predadores e outros pombos, fazendo com que tenham dificuldade para conseguir comida. A substância também contém toxinas que podem ser inaladas ou ingeridas pelo pássaro, fazendo com que ele fique extremamente doente.

Ao Metro, um porta-voz da Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals, uma instituição de caridade que promove o bem-estar animal, também comentou o caso.

“A maioria de nós quer o melhor para os animais e tratá-los com respeito — portanto, pintar intencionalmente as penas de um pombo é inaceitável, pois pode causar problemas de saúde, prejudicar a sua capacidade de voar e torná-los mais vulneráveis ​​aos predadores. Além disso, corantes e tintas podem ser tóxicos para pássaros e outros animais, e eles provavelmente tentariam limpar qualquer substância desse tipo de sua pelagem ou penas, o que poderia resultar em sua ingestão”, afirmou o porta-voz.

Por Isadora Martins

Fonte: Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.