Hospital Veterinário transfere 42 animais silvestres para Patos de Minas, MG

Hospital Veterinário transfere 42 animais silvestres para Patos de Minas, MG
Ao todo, foram destinadas 40 aves, sendo 13 adultos e 27 filhotes, entre araras, corujas e periquitos, além de um filhote de cervídeo e um jabuti adulto (Foto/Divulgação) Fonte: Hospital Veterinário transfere 42 animais silvestres para Patos de Minas

O Hospital Veterinário da Uniube (HVU) encaminhou mais de 40 animais para o Centro de Triagem de Animais Silvestres de Patos de Minas (CETAS). Segundo o coordenador do hospital, Cláudio Yudi, todos os animais transferidos são resgatados e devem passar por reabilitação, para posterior soltura na natureza.

Ao todo, foram destinadas 40 aves, sendo 13 adultos e 27 filhotes, entre araras, corujas e periquitos, além de um filhote de cervídeo e um jabuti adulto. Yudi explica que os animais são resgatados e encaminhados ao HVU pelo Corpo de Bombeiros e pela Polícia Militar Ambiental.

“Têm três formas de receber animais aqui no hospital: animais resgatados da natureza, devido a um acidente, por exemplo. Animais que são entregues à polícia, entrega espontânea, e o terceiro caso é de apreensão, por exemplo, a pessoa tem um papagaio ilegal, e esse papagaio é apreendido porque não tem origem”, explica.

Conforme Yudi, os animais precisam ser transferidos para o CETAS para que outros resgatados possam ser tratados e abrigados. Em alguns casos, os animais são soltos em habitat natural na região de Uberaba. Mesmo após a transferência de 43 animais, o hospital ainda conta com cerca de 20 pacientes em tratamento e reabilitação. Somente neste ano, 433 animais silvestres resgatados já passaram pelo HVU. A demanda é de um animal resgatado por dia.

O tratamento desses animais é realizado por meio de parceria entre o hospital e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que envia recursos. Neste ano, o valor chegou a R$ 93 mil. Os recursos são gerenciados pela Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba – FUNEPU e monitorados pelo Núcleo Interinstitucional de Estudos e Ações Ambientais do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (NIEA – TM/AP).

“Por exemplo, se eu estou precisando de gaiolas novas para as aves, o Dr. Carlos [Valera] passa o recurso para a Funepu que faz a licitação para nós. E o Dr. Valera libera recurso para o projeto [de cuidado] dos galos de rinha e para os animais da força de segurança. A gente atende também os cães dos bombeiros, da Polícia Militar, da Guarda Civil e da Penitenciária”, finaliza Cláudio Yudi.

Por Rafaella Massa

Fonte: JM Online

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.