Idoso é preso após arrastar cachorro com patas amarradas, em Canoas, RS

Idoso é preso após arrastar cachorro com patas amarradas, em Canoas, RS
Foto: Divulgação / Porto Alegre 24 horas

Um homem de 75 anos foi preso na manhã desta sexta-feira em Canoas, na Região Metropolitana, por crimes de maus-tratos a animais. A Polícia Civil cumpriu dois mandados – de prisão preventiva e de busca e apreensão – por meio da Operação Arca, em parceria com a Secretaria Municipal de Bem-Estar Animal (Smbea), Rede de Proteção Ambiental e Animais (Repraas) e com o auxílio da Polícia Ambiental (Patram). O crime em questão ocorreu na última terça-feira (25), no bairro São Luís, quando o homem arrastou um cachorro amarrado em uma Kombi e posteriormente descartou o animal em um lixão a céu aberto, causando danos ao meio ambiente.

A investigação iniciou após a circulação de um vídeo nas redes sociais em que um animal estava sendo arrastado pelo veículo com as patas amarradas. Embora o cão parecesse estar morto, não foi possível realizar a necropsia, pois o corpo estava em estado de putrefação. A identificação e localização do homem foram possíveis graças à placa do veículo. Além disso, ao chegarem no local, os agentes encontraram outros dois animais, que foram resgatados para apurar possíveis sinais de maus-tratos.

Segundo a delegada Tatiana Bastos, da 4ª Delegacia de Polícia de Canoas, o homem possui um longo histórico de violência doméstica e diversas ocorrências, incluindo o descumprimento de medidas protetivas de urgência. “A esposa e filhos fugiram para outro município por causa do comportamento violento dele. A gente chama isso de teoria do Elo, muito comum, infelizmente, a relação de crimes de crueldade contra animais e outras violências domésticas contra mulheres e outros grupos vulneráveis”, explicou.

O idoso será acusado pelos crimes de crueldade contra animais, crime ambiental e pelo descarte irregular do corpo do cão. Pelo crime de crueldade contra animais, que está previsto também na lei de crimes ambientais, e foi cometido na forma qualificada, ele pode pegar até cinco anos de reclusão. Além disso, pela prática do crime ambiental, a pena pode chegar a quatro anos de reclusão. Se condenado, ele poderá pegar até dez anos de reclusão.

Por José Souza

Fonte: Terra