Ilha dos Macacos, no Vietnã, atrai turistas e críticas por explorar animais

Ilha dos Macacos, no Vietnã, atrai turistas e críticas por explorar animais

Ousados macacos tomam comida e garrafas de água de turistas desavisados na ilha dos Macacos, do Vietnã, um lugar muito visitado, mas considerado cruel pelos defensores do meio ambiente, que querem que se ponha fim ao turismo animal no Sudeste da Ásia.

Aos turistas, recomenda-se mostrar as mãos vazias aos macacos mais agressivos, que costumam roubar comida, bonés e até celulares.

“Levaram meus biscoitos e subiram em cima de mim”, contou Dinh Thi Hoa à AFP, nesta pequena ilha da baía de Nha Phu, no sul do Vietnã.

“Não deu nem tempo de abrir o saco. O macaco tirou da minha mão e abriu!”, acrescentou, com um sorriso, depois de um grupo de macacos devorar o conteúdo.

A ilha dos Macacos é um dos inúmeros pontos de turismo animal espalhados hoje por todo país. Nela, os macacos dirigem motos em miniatura, levantam peso e brincam com bolas de basquete em uma apresentação que termina com um deles pedindo gorjeta ao público.

Em outros lugares do Vietnã, os visitantes podem, por alguns poucos dólares, andar de elefante, ou avestruz, ver ursos e tigres em circos.

Para alguns defensores dos animais, estes espetáculos são uma crueldade.

“Os macacos não escolhem caminhar sobre suas patas traseiras, andar de bicicleta, ou fazer outras coisas sem sentido e humilhantes. Simplesmente aprenderam o que acontece com eles se não fizerem”, denuncia o vice-presidente de campanhas internacionais da organização PETA, Jason Baker.

“As agências de viagem e os turistas devem parar de comprar bilhetes para shows cruéis, como o da ilha dos Macacos”, acrescenta.

Cerca de 1.200 macacos vivem nesta pequena ilha, na qual cientistas soviéticos instalaram um centro de experimentação de vacinas, até que o lugar se transformou em uma atração turística, nos anos 1990.

Segundo o diretor da ilha dos Macacos, Truong Nguyen Phuoc An, nunca se castiga os animais e eles são bem cuidados, graças ao dinheiro dos turistas.

“É uma fonte de renda que nos permite manter a ilha e comprar mais comida para os macacos”, disse ele á AFP.

“Acho que estão bem alimentados e felizes. É perfeito”, afirmou Kirill, um turista russo de 19 anos.

Fonte: O Tempo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.