Impacto de ocupações humanas entre mamíferos em ilhas na Amazônia será pesquisado

Impacto de ocupações humanas entre mamíferos em ilhas na Amazônia será pesquisado

A pesquisa analisa ocorrência de mamíferos arborícolas em ilhas fluviais na região do Médio Solimões, no Amazonas.

AM amazonia RTEmagicC macaco guariba rafael rabelo mamiraua

O impacto causado na fauna em ilhas fluviais é objeto de estudo na Amazônia. A pesquisa analisa especificamente a ocorrência de mamíferos arborícolas em ilhas fluviais na região do Médio Solimões, no Amazonas. Um dos objetivos da investigação é entender como a ocupação humana na paisagem pode influenciar na ocorrência desses animais nas ilhas. “Estamos investigando, especificamente, se a caça, a agricultura e a criação de animais domésticos, podem estar afetando a ocorrência desses animais nas ilhas”, explica o pesquisador do Instituto Mamirauá Rafael Rabelo.

AM amazonia RTEmagicC macaco uacari branco rafael rabelo mamiraua

“Existem alguns indícios de que atividades humanas, tais como caça, agricultura e criação de animais podem afetar negativamente a biodiversidade. Queremos entender se isso acontece na região, já que essas atividades são essenciais para a subsistência das populações tradicionais”, acrescenta. O estudo começou em março de 2014 e deve ser concluída em fevereiro de 2016.

Mamíferos arborícolas são aqueles que vivem nas árvores. Por possuírem esse hábito, são espécies essencialmente florestais, ou seja, seu principal habitat é a floresta. O grupo é constituído principalmente por primatas como guaribas, macacos-prego, macacos-de-cheiro, uacari-branco, macaco-aranha, além de outros como preguiça, quati, quatipuru, tamanduá e porco-espinho.

AM amazonia RTEmagicC marcelo rabelo divulgacao mamiraua

A área abrangida pelo estudo possui várias ilhas que são constantemente modificadas pela dinâmica do rio Solimões. Mas a pesquisa está focada em 20 ilhas em cerca de 160 quilômetros (km) na região do Médio Solimões e em 80 km no Alto Japurá. A investigação é realizada com expedições e entrevistas com os moradores das comunidades locais.

“Para que uma espécie que vive na floresta, tal como os mamíferos arborícolas, ocorra isolada em uma ilha, ela precisa colonizar e persistir na ilha. Os processos de colonização e persistência dessas espécies dependem do isolamento e do tamanho das ilhas, respectivamente”, explica. Rafael pretende entender como o tamanho das ilhas e as características da paisagem no entorno delas podem influenciar na ocorrência desses animais.

Fonte: Portal Amazônia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.