Índia: Tribunal requer ao Zoológico de Delhi que preserve documentos sobre mortes de animais

Índia: Tribunal requer ao Zoológico de Delhi que preserve documentos sobre mortes de animais

A bancada disse ainda que será responsabilidade pessoal da diretora preservar os documentos, assim como qualquer irregularidade.

A questão da perda dos documentos e relatórios post mortem relacionados à morte de vários animais no Parque Zoológico Nacional (NZP) da capital foi apresentada ao Supremo Tribunal de Deli no dia 18 de setembro, o qual pediu à autoridade do zoológico para preservar e proteger os mesmos. Uma bancada do Presidente do Tribunal, Rajendra Menon, e do Juiz VK Rao pediu ao diretor do zoológico para preservar os documentos, depois de ser informada de que os relatórios desapareceram apenas cinco dias depois de o tribunal ter recebido, em 25 de maio, uma ação judicial coletiva contra o zoológico por “irregularidades e ilegalidades desenfreadas” na gestão do NZP.

A bancada disse ainda que será responsabilidade pessoal da diretora preservar os documentos, bem como qualquer irregularidade. Também ordenou que o Ministério do Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas registrasse uma declaração juramentada sobre as medidas tomadas contra o Zoológico de Delhi, que supõe-se ter suprimido as mortes ao submeter relatórios de inventário imprecisos e fabricado relatórios de autópsias.

A ordem judicial foi solicitada antes da próxima data da audiência, 25 de outubro. O zoológico está sob investigação da Autoridade Central de Zoológico (CZA), um órgão estatutário sob a Lei de Proteção da Vida Selvagem, por supostamente falsificar o número de animais mortos no seu relatório anual de inventário.

A questão dos documentos perdidos foi levantada em uma ação judicial interposta pela ativista dos direitos dos animais Gauri Maulekhi. Ao citar uma carta escrita pelo Diretor do NZP ao Inspetor Geral de Florestas (Vida Selvagem), MoEF, Maulekhi disse em seu requerimento que “destruir documentos relevantes para um caso tem o efeito direto de interferir na administração da justiça, e deveria ser evitado” imediatamente.

O jornal Indian Express relatou em maio que as autoridades do zoológico não registraram as mortes de pelo menos 50 animais no ano passado para mostrar uma queda notável na taxa de mortalidade. “A carta de 30/31 de maio de 2018 também menciona que a Diretora do Parque Zoológico Nacional concluiu que nenhum relatório de exame post mortem estava disponível no registro post mortem para o período de 3 a 4 de outubro de 2017, deixando detalhes das mortes que ocorreram no período completamente sem explicação. “Descobriu-se que havia 47 páginas em branco no registro post mortem da época. O Diretor do Parque Zoológico Nacional, portanto, concluiu que parecia haver adulteração e manipulação dos documentos”, dizia o requerimento.

Em 1982, o Jardim Zoológico de Delhi foi renomeado como Parque Zoológico Nacional e considerado um zoológico modelo para o resto do país.

Por Pritam Pal Singh / Tradução de Adriana de Paiva Correa

Fonte: The Indian Express

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.