Indiciado por tráfico de animais, Pedro Krambreck congelava ratos em casa

Indiciado por tráfico de animais, Pedro Krambreck congelava ratos em casa
HUGO BARRETO/METRÓPOLES

Indiciado pela Polícia Civil do DF, Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl (foto em destaque), 22 anos, congelava camundongos no freezer. “Para alimentar as cobras, são necessários ratos, que são oferecidos vivos ou mortos. Mortos, eles precisam estar congelados. Quem tem esses animais em casa geralmente os mantêm no congelador e depois descongela em banho maria. Na residência desse rapaz (no Guará), tinha uma série de camundongos congelados no freezer”, disse o delegado Willian Ricardo, da 14ª DP (Gama).

Além de Pedro, o padrasto e a mãe dele também foram indiciados pela Polícia Civil na investigação que apurou tráfico de animais no Distrito Federal. De acordo com os policiais que trabalharam no caso, o estudante de veterinária, que traficava animais desde 2017, chegou a ter 22 serpentes, entre elas, a Naja, que o picou. O local em que ele criava ficou pequeno e Pedro passou a contar com ajuda de amigos, segundo a PCDF. Assim, uma organização criminosa se formou, ainda de acordo com as investigações.

Após o Caso Naja, os policiais civis deflagraram uma operação nesta quinta-feira (13/8) e apreenderam uma anaconda em Águas Lindas (GO), no Entorno do DF, conforme o Metrópoles revelou.

Pedro Krambeck chegou a ser preso pela Polícia Civil do DF. – Rafaela Felicciano/Metrópoles
Na ocasião, ele estava no apartamento onde mora com a mãe e o padrasto, no Guará. – Rafaela Felicciano/Metrópoles
O estudante de veterinária foi picado pela Naja que criava ilegalmente. – Foto: Reprodução
O rapaz chegou a ficar em coma após a picada da serpente. – Reprodução
Nas redes sociais, ele ostentava fotos com diversos tipos de animais silvestres. – Arquivo/Metrópoles
A polícia investiga a suspeita de que o rapaz tenha envolvimento com o tráfico de animais no DF. – Arquivo/Metrópoles
Pedro foi detido no apartamento onde mora, no Guará. – Arquivo/Metrópoles
Policiais na casa de Pedro na manhã do dia 29 de julho. – Rafaela Felicciano/Metrópoles
No Brasil, não há Najas, logo, o soro que combate o veneno desse tipo de serpente é raro. – Material Cedido ao Metrópoles
Ela costuma viver em regiões da África e da Ásia. – Material Cedido ao Metrópoles
A Naja não é uma cobra típica do Brasil. – Foto: Reprodução
Zoológico de Brasília fez ensaio fotográfico com cobra que picou estudante. – Ivan Mattos/Zoológico de Brasília/Reprodução
Brasil não tem soro para o animal. – Ivan Mattos/Zoológico de Brasília/Reprodução
A serpente não é natural de nenhum habitat brasileiro. – Ivan Mattos/Zoológico de Brasília/Reprodução
Ivan Mattos/ Zoológico de Brasília
A Naja ficará no zoo até que decidam se ela será transferida para outro zoológico ou para um centro de pesquisa. – Ivan Mattos/Zoológico de Brasília/Reprodução
O animal ganhou espaço próprio para sua espécie. – Ivan Mattos/Zoológico de Brasília/Reprodução
Ivan Mattos/ Zoológico de Brasília

Ao todo, 11 pessoas foram indiciadas. Pedro Krambeck vai responder por tráfico animais silvestres, maus-tratos e associação criminosa. A mãe dele, Rose Meire dos Santos Lehmkuhl, por tráfico de animais, associação criminosa e maus-tratos. O padrasto de Pedro, o coronel da Polícia Militar do DF Eduardo Condi, também foi indiciado por tráfico de animais silvestres, maus-tratos, fraude processual, associação criminosa, corrupção de menores e ainda pelo fato de dificultar ação fiscalizatória do Ibama, multiplicado por 22, uma para cada animal apreendido.

“Ele (coronel da PM) permitiu que a residência virasse cativeiro. A atividade era liderada é capitaneada pelo rapaz (Pedro) com o suporte da mãe e do padrasto. A criação de camundongos ficava na área de serviço da casa”, ressaltou o delegado Willian Ricardo. O policial disse ainda que todos tinham ciência do crime e fizeram registros, vídeos, fotos no WhatsApp.

“Têm fotos e vídeos da mãe alimentando os animais e cuidando dos camundongos (que serviam de alimento para as serpentes). O material colhido é extenso no sentido de que ela aderiu ao tráfico de animais. Forneceu o cativeiro e ajudou nos cuidados dessas cobras”, assinalou o delegado, durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira (13/8).

Ainda segundo o delegado, a associação criminosa foi montada dentro do curso de veterinária por Pedro e outros integrantes, entre eles, o amigo Gabriel Ribeiro. A PCDF encontrou inclusive uma rifa de um Geko (lagartinho) entre os estudantes.

Vejam quem foi indiciado:

  • Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl: tráfico de animais, associação criminosa e exercício ilegal da medicina.
  • Rose Meire dos Santos Lehmkuhl: fraude processual, corrupção de menores, tráfico de animais, maus-tratos e associação criminosa.
  • Clovis Eduardo condi: tráfico de animais, fraude processual, maus-tratos e associação criminosa.
  • Gabriel Ribeiro: posse ilegal de animal silvestre, maus-tratos, fraude processual e corrupção de menores
  • Julia Vieira: posse ilegal de animal silvestre e corrupção de menores
  • Fabiana Sperb Volkweis: fraude processual
  • Raynner Leyf: posse ilegal, fraude processual e associação criminosa
  • Major Joaquim Elias: prevaricação, fraude processual, associação criminosa, coação no curso do processo.
  • Silvia Queiroz: fraude processual
  • Luiz Gabriel: favorecimento real
  • Gabriel Moraes: associação criminosa e maus-tratos

Por Mirelle Pinheiro

Fonte: Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.