Inquilina diz não ter visto cães mortos no imóvel em Santa Maria, no RS

Inquilina diz não ter visto cães mortos no imóvel em Santa Maria, no RS

Dezenas de animais foram contabilizados por ativistas do direito dos animais. Imóvel foi alugado para funcionamento de pet shop e residência.

A mulher que tinha alugado uma casa onde foram encontradas dezenas de cães mortos, em Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, disse que está apavorada com a situação. Os animais estavam em avançado estágio de decomposição quando o proprietário entrou no imóvel após conseguir na Justiça uma ordem de despejo da inquilina.

”Eu estive lá na casa há umas duas semanas, ajeitando, organizando (…) aquele pátio todo tinha um monte de coisa para organizar, assim, das coisas do pátio. Mas animais não tinham lá, nem corpos, não tinha visto, pelo amor de Deus”, disse a inquilina.

Os animais foram encontrados em meio a muito lixo. Alguns deles estavam dentro de sacos de ração. A residência fica em uma das avenidas mais movimentadas da cidade. Ela foi alugada pela inquilina por R$ 1.350 por mês. Segundo o dono, o valor nunca foi pago, e a água estava cortada desde janeiro.

Segundo o advogado do proprietário da casa, Adriano Cesar dos Santos, a mulher pretendia morar no andar superior e abrir um pet shop no térreo, mas a loja nunca foi inaugurada. “Ela recolhia os animais para cuidá-los, pois se dizia dona de uma ONG que capta recursos para cuidar dos animais, que recebe doações para cuidar esses animais”, conta.

A Patrulha Ambiental da Brigada Militar esteve no local, registrou a ocorrência e o caso vai ser investigado pela Polícia Civil. De acordo com o advogado da inquilina,  Luiz Gustavo Negrini, a mulher  não tem nenhuma relação com os animais mortos. “Os animais que estavam sob a guarda dela foram transferidos há cerca de 20 a 30 dias”, afirmou.

Negrini afirmou considerar “estranho” nenhum vizinho ter reclamado do cheiro dos animais em decomposição, e dos animais terem aparecido mortos na iminência da entrega do imóvel. Ele orientou sua cliente procurar a polícia, o que deve ser feito nesta quinta-feira (15).

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.