Insolação, sangramentos e queimaduras: animais de estimação sofrem com a onda de calor na Ásia

Insolação, sangramentos e queimaduras: animais de estimação sofrem com a onda de calor na Ásia
Cachorro tem queimaduras tratadas - Foto: Dibyangshu Sarkar/AFP

As altas temperaturas em toda Calcutá paralisaram grande parte da megacidade indiana, mas o veterinário Partha Das não consegue se lembrar de um momento em que esteve mais ocupado.

Sua clínica tem sido inundada por membros do público angustiados trazendo animais de estimação amados sofrendo com sangramentos nasais, erupções cutâneas graves e lapsos de inconsciência em uma onda de calor implacável sufocando grande parte do sul e sudeste da Ásia ao longo da última semana.

“Muitos animais de estimação também estão hospitalizados por três ou quatro dias consecutivos, e eles estão levando muito tempo para voltar ao normal,” disse o homem de 57 anos à AFP de sua clínica.

“Estamos recebendo vários casos de insolação por dia. É sem precedentes.”

Calcutá tem suportado dias de calor escaldante, atingindo 43 graus Celsius para o dia mais quente de abril desde 1954, de acordo com o escritório de meteorologia da cidade.

As ruas da capital da era colonial, normalmente movimentadas, têm estado quase desertas à tarde, enquanto seus 15 milhões de habitantes fazem o que podem para se manter longe do sol.

Mas até mesmo os gatos e cães com a sorte de ter um dono têm sido suscetíveis a adoecer, com Das dizendo que o calor desencadeou um aumento nas doenças relacionadas à desidratação nos animais de estimação de toda a cidade.

A professora Sriparna Bose disse que seus dois gatos ficaram tristes e retraídos de uma forma que ela nunca tinha visto antes quando a onda de calor chegou.

“Eles estão recusando comida,” disse ela. “Eles se escondem em cantos escuros e frios do quarto e não querem sair.”

A situação é pior para os 70.000 cães de rua estimados pelas autoridades municipais, que não têm dono, mas muitas vezes são alimentados e cuidados pelos moradores próximos.

Muitos passam o dia se refugiando do sol embaixo de carros estacionados, enquanto alguns poucos têm água jogada sobre eles por humanos simpáticos para ajudá-los a se refrescar.

“Eles estão achando difícil ficar em pé em suas patas macias porque as ruas estão muito quentes,” disse Gurshaan Kohli, da Humanimal Foundation, uma instituição de caridade local de bem-estar animal para animais de rua.

“Muitos cães e gatos morreram,” mesmo que ele e seus colegas os tenham levado às pressas para clínicas para tratamento, acrescentou.

‘Este ano foi pior’

Grandes áreas do sul e sudeste da Ásia estão sofrendo com uma onda de calor que quebrou recordes de temperatura e forçou milhões de crianças a ficarem em casa, com o fechamento de escolas em toda a região.

Especialistas dizem que as mudanças climáticas tornam as ondas de calor mais frequentes, mais longas e mais intensas, enquanto o fenômeno El Niño também está impulsionando o clima excepcionalmente quente deste ano.

O calor tem cobrado seu preço dos animais em todo o continente.

“Eles estão comendo menos e relutantes em se mover,” disse Henna Pekko, da Rescue PAWS, que opera um abrigo de animais perto da capital da Tailândia, Bangkok, à AFP.

Com temperaturas na Tailândia ultrapassando os 40 graus Celsius na última semana, Pekko disse que sua instituição de caridade começou a levar seus resgates para o oceano para se refrescar com um mergulho, enquanto os cães mais velhos estão sendo mantidos dentro de casa.

“Definitivamente estamos tomando precauções extras por causa desse tempo,” disse ela à AFP, acrescentando que o estresse nos animais pelo calor era o pior que ela já havia experimentado no reino.

“O ano passado foi ruim. Este ano foi pior.”

Fonte: Folha de Pernambuco

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.