Investigação científica avalia perfil de acumuladores de animais em Porto Alegre, RS

Investigação científica avalia perfil de acumuladores de animais em Porto Alegre, RS

Por Ari Teixeira

RS PortoAlegre acumuladores1

Um trabalho ainda inédito no Brasil, traçar o perfil de acumuladores de animais, foi iniciado nesta sexta-feira, 3, com as primeiras visitas da investigação científica realizada pela Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), coordenadas pela professora Tatiana Irigaray. As ações serão executadas em parceria com o Ministério Público (MP-RS), por meio das Promotorias de Defesa do Meio Ambiente e de Direitos Humanos de Porto Alegre, com o apoio da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda).

“Neste primeiro contato, já conseguimos observar alguns aspectos psicológicos, como quadros depressivos, por exemplo. O que nos motiva é justamente essa busca por entender o que os leva a chegarem nestes quadros”, explica Tatiana, doutora em gerontologia biomédica e especialista em neuropsicologia e avaliação psicológica.
 
Na próxima semana, o mesmo grupo voltará a reunir-se para definir o cronograma, possivelmente até o final do ano, das futuras visitas e entrevistas com os acumuladores indicados pela Seda. “Inicialmente estamos nos apresentando e nestes dois contatos iniciais fomos bem recebidos. Queremos ajudar e isso deixamos bem claro, desde o início”, afirma Tatiana. 
 
A promotora de Justiça Annelise Monteiro Steigleider, que atua na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, explica a importância de resolver conflitos gerados tanto no ponto de vista de bem estar animal, sempre em condições precárias, quanto do humano. Segundo ela, a pesquisa permitirá também uma atuação preventiva, evitando a judicilização destes casos.
A Seda acompanhou as duas visitas, com o fiscal Luciano Cardoso, a médica-veterinária Daniele Meurer e a diretora jurídica da Seda, Fabiane Borba Tomazi. “Não temos notícias de casos de acumuladores que sejam resolvidos definitivamente. Eles entregam seus animais, mas em pouco tempo voltam o repetir o mesmo processo. Por isso a importância deste trabalho de pesquisa novo e recente e o reconhecimento como doença do transtorno de acúmulo de animais”, afirmou Fabiane. 

RS PortoAlegre acumuladores2

Projeto – A pesquisa será realizada pela pós-graduação da Faculdade de Psicologia da PUC-RS, com objetivo de traçar o perfil de acumuladores, apurando transtornos de personalidade e psicopatológicos e identificar o tipo de atendimento psicológico e/ou psiquiátrico necessário.

A proposta é buscar um protocolo de identificação, intervenção e tratamento que contemple a prevenção de recaídas após o atendimento e identificar sintomas potenciais que possam contribuir para o indivíduo se tornar um acumulador de animais. Para viabilizar o projeto, caberá ao MP repasse à PUC-RS de recursos oriundos de Termo de Ajustamento de Conduta firmado com a Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente da Capital.

Fonte: Prefeitura de Porto Alegre

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.