Policia Civil identifica tutor de cavalo que sofreu maus-tratos e foi abandonado em Ivinhema, MS

Policia Civil identifica tutor de cavalo que sofreu maus-tratos e foi abandonado em Ivinhema, MS

A Policia Civil de Ivinhema através do delegado titular, Dr. Ricardo Cavagna, na manhã desta sexta-feira (03), conseguiram identificar o tutor do cavalo que foi abandonado nas proximidades da ponte do matadouro, na estrada que liga o Município de Ivinhema a Gleba Santa Luzia.

Conforme apurou o Site Ivinoticias, depois de conhecimento dos fatos a Policia Civil esteve no local para constatar a veracidade e confirmaram que o animal encontrava-se machucado, com arranhões no dorso e apresentando sinais de maus tratos e ainda estava deitado sem forças para levantar.

De imediato a equipe policial iniciou as diligencias e conseguiu identificar o proprietário do animal Celso Donato da Costa de 52 anos e foi convidado a ir até a delegacia de policia de Ivinhema, para prestar depoimento.

Em conversa com o proprietário o mesmo informou que vinha medicando o animal que estava doente e que levou até o local onde o mesmo foi encontrado utilizando um trator, no qual ainda não foi identificado.

O chefe da vigilância sanitária Cláudio e o inspetor do Iagro do escritório de Ivinhema, Marcelo Roberto Zanin, voluntariamente estão cuidando do animal e também aplicando uma medicação para melhorar o animal.

Para reportagem do Site Ivinoticias, o delegado destacou que o senhor Celso Donato informou que estava medicando o animal, no qual destacou que tem nota, mas que não foi apresentada na delegacia.

Situação do Animal

A reportagem esteve acompanhado o caso na manhã desta sexta-feira (03), o animal continua no mesmo local, Claudio e Marcelo ainda continua ajudando o animal realizando a medicação, para ver se o animal reage ao tratamento, sendo que o animal foi avaliado e não tem nenhuma fratura aparentemente e que esta reagindo bem a medicação.

Fonte: Ivi Notícias

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.