Já não existem mais circos com animais na Argentina

Já não existem mais circos com animais na Argentina

No começo de outubro nove tigres de Bengala em estado grave de desnutrição foram resgatados em Chaco.

Tradução Alice Wehrle Gomide

ARGENTINA CIRCOS iquality

No último dia nove de outubro a Direção de Fauna da Província de Chaco, juntamente com a Polícia Rural de Villa Ángela e representantes da Associação de Funcionários e Advogados pelos Direitos dos Animais (AFADA), realizaram uma megaoperação contra o circo mexicano Veracruz, dos irmãos Daniel e Alan Mauro Yovanovich, onde constataram que nove tigres de Bengala viviam em condições deploráveis e eram adestrados com elementos de tortura. Depois desta operação, não resta mais nenhum circo que utilize animais em seus shows, informou a AFADA.

O órgão de aplicação da Lei de Proteção da Fauna Silvestre lavrou infrações porque o circo não continha a documentação legal dos nove exemplares de tigres de Bengala que estavam em seu poder, e também não puderam justificar a ausência de três ursos pardos e dois leões africanos que estavam registrados no nome do estabelecimento na Secretaria de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Nação, onde existe o Registro Nacional de Circo, somando ao fato de que os animais eram atendidos pelos próprios funcionários do circo sem contar com um título profissional habilitado para isso.

Portanto, a titular da ONG de Advogados Animalistas se apresentou na delegacia local para realizar uma denúncia penal contra as autoridades do circo mexicano Veracruz por “Infração à Lei Nacional Nº 14.346 de Proteção Animal”, pedindo também o arrombamento do circo, a retirada dos animais em cativeiro e dos “instrumentos de castigo” que eram utilizados para forçar os animais a trabalharem em seus shows.

Além disso, foi ressaltado o “grave estado de desnutrição” em que se encontravam os nove exemplares de tigres, que ficavam somente em uma habitação de dimensões escassas para o tamanho da espécie; também denunciou as “condições de alimentação, higiene e saúde” apresentadas, o “deplorável estado do trailer” que os transportava e a falta de segurança do veículo, que ia contra as normas básicas de Bem-estar Animal, colocando inclusive em risco a integridade física dessas criaturas.

Uma vez feita a denúncia, o fiscal do turno Salomon Garber imediatamente ordenou a prisão dos donos do circo para que sejam tomadas suas declarações, avisando o feito ao juiz, Luis Antonio Kolonisky, que nos próximos dias decidirá o destino provisório que será dado aos animais.

O titular da AFADA, Pablo Buompadre, junto do veterinário Gustavo Solis, um reconhecido especialista em fauna silvestre da Fundação Lund Trust Conservation, viajaram desde Corrientes até a localidade no Chaco de Villa Ángela, onde se encontrava o estabelecimento circense.

“O profissionalismo do trabalho da Fauna del Chaco, da polícia local e das autoridades judiciais demonstraram que quando há vontade os resultados chegam sozinhos. Agora vamos esperar a ordem judicial para realocar provisoriamente estes lindos exemplares na Reserva Ecológica de Sáenz Peña, que está localizada a aproximadamente 100 quilômetros de onde estava o circo, até que se encontre um lugar definitivo. Uma nova vida os espera, e a escravidão e o sofrimento para eles chegaram ao fim”, disse Buompadre.

Fonte: LU17

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.