Jacarés atacam cães de rua em parque municipal em Itaguaí, RJ; organização de defesa dos animais diz que 7 morreram

Jacarés atacam cães de rua em parque municipal em Itaguaí, RJ; organização de defesa dos animais diz que 7 morreram
Cachorros que vivem no parque municipal da Expo entram no rio e são atacados Foto: Divulgação

Ao menos sete cães morreram depois de serem atacados no Parque Municipal da Expo, em Itaguaí. No local, passa o Canal do Viana, onde moradores relatam que há jacarés. Segundo a auxiliar de veterinária Ana Lucia Lopes, de 45 anos, responsável pela organização Help Animal, que alimenta e cuida dos cachorros de rua do parque, os voluntários da organização chegaram a pensar que um dos cães tivesse sido agredido por alguém por causa do ferimento. O cachorro estava com um rasgo extenso na pele.

— A princípio a gente pensou que ele tivesse sido esfaqueado, mas lembrando dos outros cachorros atacados, chegamos ao denominador comum de ter sido um provável ataque do jacaré — diz.

Segundo Ana Lúcia, os ataques de jacarés aos cachorros acontecem há aproximadamente um ano no parque municipal. Além dos sete cães que morreram, outros três foram atacados e ficaram feridos, mas sobreviveram.

— Um deles ficou todo dilacerado e perdeu o movimento da pata. Os outros dois foram atacados, mas estão bem — afirma.

Ela diz que muitos animais domésticos são abandonados no local, e que os cães acabam entrando no rio para se banhar ou beber água.

Placas não impedem que animais entrem em contato com os jacarés do rio Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo
Placas não impedem que animais entrem em contato com os jacarés do rio Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

No mês passado, a prefeitura de Itaguaí colocou placas para sinalizar a presença dos répteis no local. “Não entre no rio”, “caso o aviste não o perturbe, mantenha-se afastado”, dizem os cartazes. Mas segundo os moradores, a medida não é efetiva para evitar os riscos de contato dos jacarés com crianças ou outros animais domésticos que circulam pelo parque.

— Cachorro sabe ler? Criança sabe ler? Domingo tem feira no parque e nada é feito. Ali transita criança de bicicleta, idosos, adolescentes — questiona Ana Lúcia.

Morador da Vila Margarida, Jean Souza, de 32 anos, faz exercício no parque quase todo dia. Para ele, as placas não são fáceis de visualizar e não resolvem o problema.

— Colocaram placas para alertar, mas não é uma coisa fácil de visualizar. O correto era trazer um grupo de biólogo para estudar a área, colocar grade de proteção. Aqui de noite fica muita criança porque tem parquinho — afirma.

Já o morador do bairro do Engenho, Paulo Henrique Guimarães, de 28 anos, diz que não chegou a ver os jacarés no parque, mas que eles são presença constante na região onde mora.

— No final do ano passado teve uma chuva e apareceram dois jacarés lá no valão no bairro onde moro. A gente chamou a defesa civil e os bombeiros e eles fizeram a retirada. Vira e mexe tem relato de que aparece lá no bairro — lembra.

Ele também acha que apenas as placas não são suficientes para impedir o contato de quem passa no local com os jacarés.

— Deveria ter um pouco mais de segurança, uma tela. As pessoas são curiosas, pode acontecer alguma coisa mais grave. Só a placa não acho suficiente, deveria ter uma cerca — afirma.

Moradores relatam presença de jacarés no canal do viana Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo
Moradores relatam presença de jacarés no canal do viana Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

Veterinário da região, Vicente Freitas disse que desde o final do ano passado atendeu dois cães do parque municipal com lesões que remetem a ataques de jacarés.

Em resposta, a prefeitura afirma que colocou as placas para alertar a população. “A medida visa proteger tanto a população quanto os animais, já que o local é habitat natural deles”, diz a nota.

Por Isabela Aleixo

Fonte: Jornal Extra


Nota do Olhar Animal: É preciso educar a população visitante e do entorno do parque para harmonizar a convivência dela com os animais silvestres em seus territórios naturais, inclusive em relação à presença dos cães. Apenas placas não cumprem esse papel.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.