Juiz federal interrompe touradas por tempo indeterminado em cidade mexicana

Juiz federal interrompe touradas por tempo indeterminado em cidade mexicana
A suspensão das touradas em Guadalajara é por tempo indeterminado. (Foto: Cuartoscuro Archivo)

Um juiz federal baseado em Jalisco suspendeu por tempo indeterminado as touradas no município de Guadalajara, onde funciona a Plaza Nuevo Progreso.

Luis Márquez Pedroza, 19º juiz em matéria Administrativa, Cível e Trabalhista de Zapopan, concedeu a suspensão definitiva na proteção promovida pela AnimaNaturalis, organização de defesa dos direitos dos animais.

Esta suspensão vigorará durante o tempo necessário para tramitar o processo de amparo para esclarecer a constitucionalidade do Regulamento Taurino Municipal de Guadalajara, salvo se for revogada por um tribunal colegiado.

O juiz Márquez Pedroza concedeu a suspensão provisória em 15 de novembro, a qual foi confirmada pelo Sétimo Tribunal Administrativo Colegiado da Terceira Circunscrição.

A suspensão das touradas deve-se à tutela apresentada pela AnimaNaturalis.
A suspensão das touradas deve-se à tutela apresentada pela AnimaNaturalis.

Por maioria de dois votos, os magistrados ratificaram a referida suspensão que proíbe a chamada “fiesta brava” na capital Jalisco.

A proposta de Claudia Mavel Curiel López, magistrada presidente, estabelece que a organização AnimaNaturalis não está impedida de apresentar proteções em relação à proteção animal e que a decisão do juiz foi correta, pois evita que sejam gerados danos irreparáveis ​​aos touros.

Esta suspensão se soma à emitida pelo primeiro juiz distrital em assuntos administrativos da Cidade do México, Jonathan Bass Herrera, que determinou a suspensão das touradas na Plaza México.

Nesta quarta-feira (12), a SCJN discutiu sobre a revogação da suspensão na Plaza México. (Foto: Cuartoscuro Archivo)
Nesta quarta-feira (12), a SCJN discutiu sobre a revogação da suspensão na Plaza México. (Foto: Cuartoscuro Archivo)

Tradução de  Alice Wehrle Gomide

Fonte: Animal Político

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.