Julgados por enforcar e enterrar cão na Nazaré, Portugal

Julgados por enforcar e enterrar cão na Nazaré, Portugal

O tutor de um cão que morreu enforcado, na Nazaré, e um amigo vão ser julgados, no Tribunal da Nazaré, pelo crime de maus-tratos a animais de companhia na forma agravada, punido com prisão até dois anos ou multa.

O caso ocorreu em outubro de 2016 e foi denunciado por vizinhos que viram os dois homens junto de uma nespereira, a puxar a corda na qual o animal estava pendurado, ainda vivo, e depois viram-nos a abrir o buraco onde enterraram o animal.

O tutor do cão, com ano e meio, sem raça definida, foi identificado pela PSP da Nazaré, que apreendeu a corda, de nylon, com quatro metros de comprimento. O cadáver do animal foi removido pelos serviços camarários na presença do veterinário.

O Ministério Público da Nazaré abriu um inquérito e acusou agora o tutor do cão e o amigo, de 66 e 58 anos, da morte do animal. Segundo a acusação, enquanto um dos arguidos segurava o cão, o outro atou-lhe uma corda ao pescoço. Passaram a corda por um ramo de uma árvore, puxaram e esticaram, erguendo o animal do solo, apenas largando quando deixou de se debater.

PORMENORES

Castigo

Na altura, o tutor disse à PSP que a morte foi acidental. Prendeu o cão com uma corda, de castigo por ter matado as galinhas. Ele saltou um muro, ficou pendurado e morreu asfixiado.

Associação

A Associação ANIMAL é assistente no processo e opôs-se à suspensão provisória, pelo que vai seguir para julgamento.

Envenenados no Algarve

Seis cães morreram com indícios de envenenamento e dois estão doentes. Todos passaram pela zona do Ludo, em Faro.

Por Isabel Jordão e Francisco Gomes

Fonte: CM / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.