GO montagem-pits

Justiça retoma audiência de acusado de maus-tratos a 56 pit bulls em GO

Adiada duas vezes, sessão deve ter depoimento do réu e de testemunhas. Animais foram resgatados em chácara de Aparecida de Goiânia, em 2013. 

Após dois adiamentos, deve ser realizada nesta terça-feira (1º) a audiência de instrução de Camilo Godinho Neto, acusado de maus-tratos a 56 cães da raça pit bull. Na sessão, a juíza Liliam Margareth da Silva Ferreira, do 1º Juizado Criminal de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, pretende ouvir o réu e as testemunhas. Após o procedimento, ela vai decidir como será feito o julgamento.

O G1 tentou contato com o advogado de defesa de Camilo, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. Em junho, quando ocorreu a primeira audiência do processo, o homem negou que cuidasse mal dos cães. “Crio animais há dez anos. O aspecto de magreza é típico daquela raça”, disse.

Na última sessão, realizada no dia 8 de janeiro deste ano, a juíza remarcou a audiência por falta de presença de algumas testemunhas. Na primeira, no dia 20 de novembro do ano passado, o réu não compareceu e apresentou atestados médicos.

Os animais foram localizados no dia 8 de março do ano passado, depois que policiais resolveram apurar uma denúncia anônima de porte ilegal de armas. Chegando ao local, além de comprovarem o crime, encontraram 57 cães vivendo em situação de abandono – um deles morreu no decorrer deste período. Outros 55 galos e 20 porcos também foram localizados na chácara. Veterinários que avaliaram os animais acreditam que eles participavam de rinhas.

Por conta da situação, o Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) ofereceu denúncia de maus-tratos contra Camilo. Ao saber do fato, Meibel Veríssimo, que é responsável pelo Recanto dos Pit Bulls e diretora do Hammã, grupo de apoio a animais abandonados, requereu e ganhou na Justiça a tutela provisória dos cães. No dia 11 de abril do ano passado, ela foi até a chácara, que fica no Setor Jardim Continental, e resgatou os bichos. Atualmente, os animais ainda vivem no Recanto dos Pit Bulls.

O advogado que representa a entidade que cuida dos cães, José Patrício Júnior, acredita que a sessão desta terça-feira trará resultados. “O acusado vem tentando protelar essa audiência há algum tempo, apresentando atestados médicos, mas nesta estamos confiantes que vai resultar na condenação dele”, afirmou ao G1.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.