Lamentável! Tarcísio veta PL que proíbe venda de animais em petshops e sites no estado de SP

Lamentável! Tarcísio veta PL que proíbe venda de animais em petshops e sites no estado de SP
Gato em feira de adoção — Foto: Divulgação

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), vetou integralmente o projeto de lei (PL) que proibiria a venda de animais em pet shops e plataformas de compra e venda dentro do território paulista. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (9).

No lugar do PL vetado, Tarcísio propôs um novo projeto sobre a regulamentação do comércio de cães e gatos no estado. O texto foi protocolado na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), na sexta-feira (6), em regime de urgência.

Razões do veto

O Projeto de Lei nº 523/23 previa a proibição da venda de gatos, cachorros e pássaros domésticos por pessoas físicas e comércios não autorizados, assim como a criação de um cadastro estadual, para que somente criadouros que respeitem a legislação vigente, tendo como prioridade o respeito e o bem-estar animal, pudessem comercializar os animais mencionados. Infrações seriam passíveis de multa.

O PL foi aprovado na Alesp em 8 de agosto e enviado para sanção do governador em 20 de setembro.

Contudo, o texto desagradou empresários e entidades voltadas para a comercialização de produtos para pets. O g1 já havia noticiado que o grupo estava pressionando o governador pelo veto total do PL, argumentando que ele seria inconstitucional por violar o direito de propriedade e livre comércio, a livre iniciativa e liberdade econômica do setor privado.

Ao expor as razões do veto na publicação desta segunda, Tarcísio parabenizou os parlamentares da Alesp pela preocupação com a saúde e o bem-estar de animais domésticos, mas afirmou que o projeto impedia o exercício responsável de atividades comerciais, contrariando o princípio da liberdade econômica.

“As ponderações apresentadas pelos atores econômicos do setor e pelos diversos agentes da sociedade comprometidos com a causa animal evidenciaram que o projeto não se ajusta inteiramente à ordem constitucional ao proibir a revenda de animais por qualquer estabelecimento comercial não qualificado como criadouro”, declarou o governador.

Nova proposta

Com a pressão de ambos os lados — tanto daqueles favoráveis como contrários ao projeto —, a saída encontrada por Tarcísio foi promover o veto total e já enviar uma nova proposta de lei para a casa legislativa.

O PL 1.477/23 trata apenas da comercialização de gatos e cachorros domésticos, deixando de fora pássaros e a criação do Cadastro Estadual do Criador de Animal (CECA).

O novo texto prevê:

  • Proibição da venda por pessoas físicas;
  • Proibição da exposição dos animais em vitrines fechadas ou em condições exploratórias que os causem desconforto e estresse;
  • Garantir que filhotes convivam com suas mães pelo período mínimo recomendado pelos veterinários ou por uma norma técnica;
  • Fornecimento de laudo médico veterinário que ateste a condição de saúde regular dos animais no ato da comercialização;
  • Condições para venda ou doação dos animais: terem idade mínima de 60 dias, o tempo de desmame respeitado e todas as vacinas previstas no calendário aplicadas.
  • As sanções estipuladas no projeto são as previstas na Lei Federal nº 9.605/98, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades que lesem o meio ambiente, incluindo fauna e flora.

Na Alesp, o projeto passará pelas comissões da casa, que irão avaliar aspectos como a constitucionalidade da proposta. Uma vez aprovado, seguirá para a primeira votação dos parlamentares, que podem sugerir alterações ao texto.

Repercussão

Para o Sindilojas-SP, sindicato dos empresários lojistas de Pet Shops, a decisão de Tarcísio representa uma vitória para a livre iniciativa e para “a causa da verdadeira proteção animal”.

“O Sindilojas-SP manifesta o seu agradecimento ao governador de SP, Tarcísio de Freitas, pela compreensão e sensibilidade à complexidade do tema, representadas pela decisão acertada do chefe do executivo estadual em vetar o referido Projeto de Lei”, disse o órgão, em nota.

O autor do projeto vetado, o deputado Rafael Saraiva (União), afirmou que, apesar de longe do ideal, a proposta enviada pelo governador “já é um primeiro passo” na proteção animal, uma vez que proíbe a venda em vitrines fechadas, regulamenta a venda online e reconhece os pets como seres que possuem sentimentos, passíveis de sofrimento. Ele reiterou ainda a sensibilidade que o chefe do executivo teve com a questão.

“Começamos um novo capítulo na vida dos animais, talvez não da forma que gostaríamos, mas quem sabe, o final seja um Estado onde os animais serão, definitivamente, vidas e não objetos”, disse o parlamentar.

Por Renata Bitar e Patrícia Marques

Fonte: g1


Nota do Olhar Animal: Não existe isso de “primeiro passo”, é uma alegação covarde de quem quer agradar a todos e diminuir a resistência dos opositores à continuidade da exploração animal. Mais de vinte anos de ativismo nos mostraram que o “segundo passo” nunca é dado por quem diz que “foi dado o primeiro passo” e que sempre acaba sendo necessária uma nova insurgência do ativismo para que um tipo de exploração seja banido e realmente avancemos na defesa dos interesses dos animais.

Você faz questão de um cão de raça? Pense duas vezes…