Leão Cecil sofreu pelo menos 10 horas de ‘incrível crueldade’ antes de morrer

Leão Cecil sofreu pelo menos 10 horas de ‘incrível crueldade’ antes de morrer
Cecil era um dos leões mais famosos do Zimbabué. - Reprodução: Youtube/ Bryan Orford]

O leão Cecil, que foi morto em julho de 2015 no Parque Nacional de Hwange, no Zimbabué, com um arco e uma flecha por um caçador e dentista americano, “sofreu uma incrível crueldade”, durante pelo menos 10 horas antes de morrer. Quem o diz é um dos investigadores que estudava o animal há cerca de oito anos, num livro que será publicado já no próximo mês de abril.

Andrew Loveridge, biólogo e investigador da Universidade de Oxford, prepara-se para publicar o livro “Lion Hearted: A vida e a morte de Cecil e o futuro dos gatos icónicos de África”, onde são revelados novos pormenores sobre as últimas horas de vida de um dos leões mais famosos e queridos do Parque Nacional de Hwange. Com o livro, o investigador pretende também corrigir algumas informações que foram divulgadas pela comunicação social na altura.

“Nos relatos dos media, foi referido que Cecil sofreu durante quase 40 horas. Esta afirmação é imprecisa e exagerada. É improvável que ele tenha vivido tanto tempo com uma lesão torácica tão grave”, revelou o investigador, segundo a CNN.

No entanto, o estudioso afirma que a morte do animal não foi, de todo, tranquila. Depois de analisar os dados do colar GPS que se encontrava no corpo do animal e depois de ter recolhido informações durante as suas entrevistas com pessoas envolvidas na caça, o biólogo concluiu que Cecil teve uma morte lenta e dolorosa.

“Cecil sofreu uma crueldade incrível por, pelo menos, 10 horas. Ficou gravemente ferido e morreu de forma lenta”, revela o livro.

Ainda de acordo com Loveridge, o golpe mortal de Cecil surgiu na sequência do disparo de uma segunda flecha. De acordo com a CNN, as descobertas de Andrew Loveridge também corroboram a teoria de que o leão foi atraído deliberadamente para fora do Parque Nacional de Hwange, com o objetivo de escapar aos regulamentos.

Cecil tinha 13 anos e era o leão mais importante do Parque Nacional de Hwange, sendo que a sua morte causou uma onda de protestos e revolta por todo o mundo.

Fonte: tvi24 / mantida a grafia lusitana original


Descoberto o homem que matou Cecil, o leão do Zimbabué

 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.