Lei pode permitir que animais sejam enterrados com seus tutores em cemitérios de Niterói, RJ

Lei pode permitir que animais sejam enterrados com seus tutores em cemitérios de Niterói, RJ

Vereador justifica que bichos de estimação são membros da família.

Por Gustavo Schmitt

RJ niteroi 2012070482262 - Cópia

Um projeto de lei apresentado na Câmara Municipal pretende autorizar o enterro de animais domésticos nos cemitérios da cidade. Na prática, a proposta, que já recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça, autoriza que os bichos de estimação sejam sepultados junto com seus tutores.

O autor do projeto, o vereador Renatinho (PSOL) argumenta que a proposta é de “grande relevância” porque os animais são considerados “integrantes das famílias humanas”. Ele justifica ainda que cemitérios e crematórios particulares cobram taxas altíssimas, que podem custar de R$ 500 até R$ 3 mil:

— O custo alto praticamente inviabiliza a utilização pela maioria dos tutores de animais. Tem gente que faz um buraco no quintal e sepulta ali mesmo. Mas, a maioria das pessoas que conheço não joga o seu bichinho em qualquer lugar — diz Renatinho, que tem como bandeira de seu mandato a defesa dos animais.

O vereador conta ser dono de um casal de gatos e afirma que sonha ver seus animais sepultados como determina seu projeto de lei:

— Os meus gatos são a coisa mais linda que tenho na minha casa. Eles dormem na nossa cama. Gostaria muito que fossem enterrados no meu jazigo. Pedirei isso à minha mulher — diz o vereador.

O presidente da Câmara Municipal, Paulo Bagueira (SDD), se mostrou contrário ao projeto de lei:

— Os cemitérios de Niterói precisam de reforma para poder enterrar gente. Não tem estrutura para sepultar animais. Sou a favor da construção de um cemitérios específico para bichos de estimação — disse Bagueira.

Na capital paulista, um projeto de teor semelhante acabou sendo vetado pelo prefeito Fernando Haddad (PT) em dezembro. A administração de Haddad alegou que faltava vagas e estrutura nos cemitérios, além de que grande parte da população poderia entender a medida como um desrepeito a tradições e preceitos religiosos. A proposta havia sido aprovada pela Câmara Municipal de São Paulo, em novembro de 2013.

Fonte: O Globo

Nota do Olhar Animal: Sobre a resistência de religiosos a outro projeto similar, vale a leitura do artigo da filósofa Sônia T. Felipe intitulado A dignidade dos cadáveres e lugares sagrados .

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.