Leoa e anta morrem em zoológico nacional: diretor demitido acreditava que animais 'só servem para dormir, comer e dar à luz', disse ministra

Leoa e anta morrem em zoológico nacional: diretor demitido acreditava que animais ‘só servem para dormir, comer e dar à luz’, disse ministra

A ministra da Cultura disse que a anta recebeu concentrado fermentado com proteína animal e que isso desencadeou a doença. Ela acrescentou que o diretor do zoológico foi demitido no dia 26 de julho e que o acasalamento de animais foi proibido porque há informações sobre o tráfico de espécies no zoológico.

Dois animais do Parque Zoológico Nacional (PZN) morreram no mês passado, informou a ministra da Cultura Suecy Callejas em 26 de julho.

“Em menos de três dias de intervalo tivemos a morte de um exemplar de anta, nosso único exemplar de anta, que se chamava Guayito, e ontem tivemos a morte da leoa que lamentavelmente não tinha nome e só foi identificada como cópia 004” disse a funcionária.

A anta morreu na terça-feira, 23, por causa do que poderia ser um quadro de peritonite, mas uma possível gastroenterite também é estudada, pois por disposição das autoridades anteriores, o animal recebia alimento com proteína animal, embora fosse um herbívoro; em qualquer dos casos, será uma necropsia que determinará a causa, disse ela.

Foto de LA PRENSA / Frederick Meza

“A anta é uma espécie herbívora e foi administrado de forma negligente alimento com proteína animal. O animal é herbívoro”, e esclareceu que comida de cavalo também poderia ser dada.”O animal tinha mais de quinze anos e só comia frutas, legumes e pasto, e deram-lhe comida com proteína animal. Isso causou uma fermentação e fez com que ele entrasse nesse quadro”, explicou Callejas.

Disse que o caso de Guayito foi relatado em 18 de julho como um quadro de “peritonite”. Diante disso, funcionários do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais (MARN) e do Ministério da Agricultura (MAG) foram convocados para obterem diversas opiniões de veterinários e zootecnistas. “Ele apresentou melhoras, mas depois piorou novamente, até que finalmente morreu em 23 de julho ao meio-dia no recinto”, disse a ministra.

Quando a chegada de Guayito foi anunciada em 2004, destinaram este espaço para ele viver. Foto de LA PRENSA / Arquivo

Guayito recebeu esse nome do seu proprietário anterior. Ele chegou ao PZN com um ano de idade, em 6 de maio de 2004, e decidiram manter seu nome porque “não parece ruim”. Na chegada, colocaram-no em uma área de 132 m² e desenvolveram uma dieta especial depois de consultar um zoológico mexicano. “Que coisa mais estranha!” Mas este novo animalzinho parece um porco com um nariz de elefante”, disse um menino de oito anos nos primeiros dias de exibição. Foi a primeira vez que uma anta foi vista no zoológico salvadorenho.

Guayito foi doado ao PZN em maio de 2004, quando tinha um ano de idade. Foto de LA PRENSA / Arquivo

Por outro lado, a leoa morreu na quinta-feira 25 por causa da peritonite. Além disso, ela sofria de insuficiência renal crônica que não foi detectada até depois da morte.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

“Ela apresentou um quadro de peritonite crônica causada por um vírus felino, mas investigações de negligência também estão sendo feitas porque a peritonite não apareceu ontem… ela estava doente antes e não recebeu a atenção veterinária necessária para sua condição”, expôs Callejas. Após o teste, perceberam que ela tinha altos níveis de creatinina que indicavam insuficiência renal crônica que não foi  tratada e, portanto, “não aguentou”.

“Se a infecção que é típica de felinos, especialmente felinos em cativeiro, tivesse sido tratada a tempo, poderíamos ter mantido a espécie mais tempo e, provavelmente, tivesse passado a crise”, disse ela.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

Acrescentou que, a partir deste dia, Vladlen Henríquez foi afastado do cargo de diretor do PZN. “O diretor do zoológico manteve as espécies de coleção em constante detrimento físico, porque, de acordo com seu modo de pensar, e como ele disse ao presidente que era prefeito em 2017, quando foi realizada uma reunião para ver a emergência após a morte de Gustavito, foi que os animais não precisam de afeição e só servem para dormir, comer e dar à luz. Não podemos manter esse tipo de pessoa na administração, nem podemos confiar a eles os cuidados e a proteção dos animais”, disse Callejas. 

Disse que a pessoa que será nomeada para a posição ainda não foi escolhida, mas naquela semana deveria ser nomeado alguém de forma interina.

Não disse em que data, mas anunciou que o recinto será fechado temporariamente e, quando as obras de adaptação forem concluídas, será reaberto como um parque nacional.

Enquanto isso, disse que levantaram um “alerta e uma proibição” para que os animais não se acasalem. “Porque também temos informações de que há tráfico de espécies aqui porque elas acasalam e não há controle”, disse ela.

Esclareceu que, por enquanto, “este espaço permanecerá aberto até que nos forneçam todas as informações da auditoria forense e da auditoria interna”, e os funcionários continuarão a trabalhar como sempre. “A entrada para o público continua como de costume até que o fechamento total seja anunciado”, indicou.

Se tudo correr bem, esperam que no final deste ano de 2019 ou começo de 2020 comecem a transferir os animais para uma reserva. Disse que alguns animais que estão doentes ou idosos não vão suportar a transferência e vão permanecer acomodados no zoológico “em lugares melhores”.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

Revelou que as negociações estão sendo realizadas no local perto de San Salvador, onde a reserva natural seria comprada e para onde também os animais selvagens que foram resgatados seriam levados.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

Nesta sexta-feira, o ministro do Meio Ambiente, Fernando López, disse que todas as decisões tomadas pela Ministra da Cultura em relação ao PZN estarão de acordo com os direitos e em respeito às leis nacionais e internacionais de proteção da vida selvagem, além de respeitar os direitos trabalhistas das pessoas que ali trabalham.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

“Como MARN, estamos apoiando o Ministério da Cultura com o tema de especialistas em vida selvagem, já que este zoológico não possui protocolos de segurança, saúde ou limpeza para animais… O propósito de um zoológico deve ser educacional, mas o que evidência esse zoológico é ineficiência e incapacidade sendo exibidas às custas da vida selvagem”, disse Lopez.

Foto de LA PRENSA / Fréderick Meza

Em 6 de maio, Callejas tinha dito que o novo governo remodelaria o parque para torná-lo um espaço de recreação familiar que poderia estar ligado ao parque Saburo Hirao. Além disso, disse que tomaria medidas para levar os animais a um ambiente seguro.

Por BeatrizCalderon , Mario Paz / Tradução de Thaís Perin Gasparindo

Fonte: La Prensa Gráfica 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.