Levar o cachorro à praia requer cuidados extras

Levar o cachorro à praia requer cuidados extras
Aproveitar os dias quentes com o pé na areia pode ser relaxante para os humanos, mas, para os cães, é preciso cautela. (Foto: Divulgação)

O verão vem chegando e a praia é sempre um dos destinos mais queridos pelas famílias brasileiras. Aproveitar os dias quentes com o pé na areia pode ser muito relaxante para os humanos, mas, para os cães, é preciso tomar uma série de cuidados. Para auxiliar os tutores que pretendem ter a companhia do pet na viagem ao litoral, a médica veterinária Patrícia Padovez, coordenadora técnica da Farmina Pet Foods, empresa especializada no desenvolvimento de soluções nutricionais para cães e gatos, lista alguns cuidados importantes para que o fim do ano dê praia:

Permissão

O primeiro cuidado é checar se a praia aceita pets. Por motivos de higiene e segurança, algumas áreas proíbem o convívio com cães na areia e no mar.

Temperatura

O clima da praia é úmido e bastante quente, portanto, para evitar que seu amigo sofra com as altas temperaturas do local, procure levá-lo para passear somente de manhã ou no final da tarde. Para quem possui cães de pelos curtos, pelos branquinhos ou com alguma parte do corpo desprotegida, o indicado é passar um protetor solar especial para cães. Vai ficar o dia todo fora? Considere deixar dois potinhos com água fresca, comida e um lugar refrescante à disposição do animal dentro da casa ou do apartamento. Se for leva-lo à praia, mantenha sempre um potinho com água fresca por perto.

Mar

A junção de água salgada com ondas imprevisíveis é um dos piores inimigos do cão na praia. A ingestão de água do mar em pequena quantidade não faz mal, porém, se a água estiver contaminada ou poluída, o animal pode desenvolver uma infecção e apresentar diarreia ou quadros de vômito e gastrite. Além disso, o risco de afogamento é muito maior para os pets. Eles podem ser arrastados pelo mar violento com mais facilidade, podem se perder dos donos e se afogar.

Evitando doenças

Por mais que passear na praia pareça ser uma ideia divertida, o contato com a água do mar, com a areia, sal e calor podem prejudicar a saúde dos pets em diversas maneiras. Eles podem adquirir inflamações como otites, conjuntivites e dermatites, lesões na pele, coceiras e verminoses extremamente comuns, como a dirofilariose, mais conhecida como “verme do coração”, e o bicho geográfico. Outros animais contaminados que passaram pela praia também transmitem doenças, afetando adultos e principalmente crianças que ficam boa parte do tempo sentadas na areia. Portanto, para impedir que o passeio se torne uma preocupação, é fundamental que a carteira de vacinação, a vermifugação e os preventivos para pulgas e carrapatos estejam em dia. Essa atitude pode evitar que o seu bichinho contraia ou transmita doenças para outros animais.

Convívio harmonioso

Para um convívio harmonioso com os demais frequentadores da praia, a orientação é manter o animal por perto, sempre com coleira e guia, para evitar que ele se perca, que ataque ou seja atacado por outros animais. Também vale ficar de olho em petiscos e restos de alimentos espalhados pelo chão, que podem ser encontrados pelo pet. Evite que ele se chacoalhe próximo a outras pessoas ou fique cheirando, isso irá garantir o bom convívio com quem estiver ao redor. E nunca é demais lembrar que os donos devem sempre recolher os dejetos de seus animais, seja na praia ou em qualquer outro lugar. Depois de preparadas as malas, planejado o roteiro e tomados os cuidados com o pet, é só curtir as férias!

Fonte: Jornal Cruzeiro

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.