Limeira (SP) tem 15 denúncias de maus-tratos por dia

Limeira (SP) tem 15 denúncias de maus-tratos por dia

Por Matheus Durante

SP limeira P-3038 f1ed240300daec623aa35e4b48cd32a7A Alpa (Associação Limeirense de Proteção aos Animais) recebe e averigua uma média de 15 denúncias de maus-tratos em gatos e cachorros por dia no município. São diversos casos de violência – como a que levou ontem a entidade e a PM (Polícia Militar) ao Jardim Nova Itália, onde numa casa o morador mantinha 16 cães em péssimas condições de higiene. Até um cachorro morto havia entre os animais.

“Vários casos, porém, ocorrem apenas por ignorância do tutor”, disse Larissa Maluf, diretora de Relações Públicas da Alpa. Ela, que trabalha há três anos como voluntária da entidade, conta que são 12 voluntários em suas fileiras. 

Larissa afirma que uma parcela das denúncias se refere à desnutrição, animais doentes ou com carrapatos, corrente curta, abrigo inadequado e falta de alimentação. “Há situação que vamos averiguar e não se trata propriamente de maus-tratos. Nesses casos, realizamos um trabalho de conscientização e chegamos até a doar correntes maiores”, declarou.

As ocorrências – enquadradas no artigo 32 da Lei Federal nº 9.605 de 1998 (Lei de Crimes Ambientais) e no artigo 164 do Código Penal – podem levar quem pratica maus-tratos para a cadeia. A lei federal prevê de três meses a um ano de prisão. O Código Penal estabelece detenção de 15 dias a seis meses. Ambos preveem aplicação de multa.

A Alpa também registra casos de violência contra animais que beiram o absurdo. Na semana passada, uma denúncia quase levou para a cadeia os proprietários de cinco cães que eram abusados sexualmente. Constatou-se, porém, que os tutores dos animais tinham problemas mentais.

Outro caso, repercutido pelo Jornal de Limeira esta semana, foi o do homem que atirou um aparelho de televisão no seu cachorro, ferindo-o na coluna. O cão foi para o veterinário e o seu dono para a cadeia, mas por ter sido enquadrado em outros crimes.

Para a diretora de Relações Públicas da Alpa, é fundamental que as pessoas que presenciam violência contra animais façam um boletim de ocorrência. “Infelizmente, não é todo mundo que dá a cara à tapa. Mas o exemplo dado pela vizinhança que denunciou maus-tratos a 16 cães é promissor”, disse Larissa, referindo-se a uma ocorrência registrada ontem no Jardim Nova Itália.

AGONIA

O caso diz respeito a um morador da rua Estudante Flamínio Araújo de Castro Rangel, no Jardim Nova Itália, que foi denunciado por vizinhos pela prática de maus-tratos contra animais. S.T.G. mantém 16 cães no quintal da sua residência em péssimas condições de higiene. Um dos animais foi deixado agonizando durante a manhã inteira de ontem com ferimentos graves por todo o corpo causados por ataques dos outros cães.

Os vizinhos registraram boletim de ocorrência no Plantão Policial e acionaram a PM (Polícia Militar) e a Alpa, que foram até o local e conseguiram resgatar o animal e entregá-lo aos cuidados de veterinários, porém, o cão acabou morrendo.

Segundo Larissa, a situação do cão era delicada e, por apresentar convulsões constantes, hipotermia e cortes profundos na garganta, ele não resistiu aos ferimentos.

De acordo com vizinhos, essa não é a primeira vez que S. é denunciado por maus-tratos. O proprietário dos cães sofre de distúrbios psicológicos e não tem condições de cuidar devidamente de tantos animais. Alguns já formalizaram um abaixo-assinado e estão recolhendo assinaturas para a remoção dos cães da residência.

A Alpa disse que voltará com a PM no local e informou que há possibilidade de que os animais sejam retirados do local e colocados para adoção. 

Fonte: Jornal de Limeira

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.