Limpeza em abrigo é parte da receita do acolhimento prestado aos pets em Santos, SP

Limpeza em abrigo é parte da receita do acolhimento prestado aos pets em Santos, SP

Se você tem um único pet, sabe bem o trabalho que dá manter o seu ambiente limpo e higienizado. Agora… imagine se fossem mais de 100 no mesmo lugar? Esta é a missão diária que as equipes de limpeza do Departamento Operacional (Deop) da Prodesan têm nos dois núcleos da Coordenadoria de Defesa da Vida Animal (Codevida), órgão ligado à Secretaria do Meio Ambiente (Semam) de Santos.

Atualmente, o abrigo de animais da Codevida, situado na sede do Jabaquara (Av. Francisco Manoel s/nº), conta com 120 animais: são 85 cães e 35 gatos. Eles estão acomodados entre três canis — apartados conforme o comportamento do animal (mansos, intermediários e agitados) — e um gatil.

Esses espaços são divididos em 29 baias-padrão, 14 baias de menor porte (para isolamento) e quatro solários (espaços abertos amplos, semelhantes a um quintal).

Bem-estar animal

Todos esses recintos passam por limpeza e desinfecção ao menos duas vezes ao dia — sempre tendo em vista o bem-estar dos bichinhos. “Na parte da manhã, cada animal é retirado do local para que as equipes façam a higienização interna completa”, explica Alessandro Menezes, fiscal do Deop. “À tarde, é feito o ‘repasse’: uma faxina de caráter pontual”.

À parte essas duas ações diárias, toda segunda-feira é realizada a limpeza completa (ou ‘terminal’) — modalidade na qual tudo do ambiente passa por assepsia, desde as prateleiras e bacias até as grades e lonas. Sempre são usados detergente, desinfetante e hipoclorito de sódio.

A limpeza também contempla os setores de atendimento público gratuito (o que inclui a unidade no Jardim Botânico Chico Mendes, no Bom Retiro). Nesses locais há consultórios e centros cirúrgicos.

Imprescindível

“A higienização dos recintos é parte imprescindível tanto do acolhimento quanto do tratamento que damos aos nossos animais”, diz a chefe do abrigo da sede do Jabaquara, a veterinária Jessica Riesco. “Um cão, por exemplo, pode ter diarreia ou vomitar durante um procedimento. A operação é interrompida, a equipe da limpeza faz a assepsia do lugar e, assim, podemos retomá-la”.

No Jabaquara, são seis funcionários da Prodesan que auxiliam a unidade a realizar cerca de 30 atendimentos e cinco cirurgias por dia, das 8h às 17h.

Os dois castramóveis da Codevida (veículos adaptados para realização de atendimentos) também passam por processo de higienização a cargo da Prodesan.

Fonte: Prefeitura de Santos

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.