Linha Verde recebe denúncias de crimes ambientais no sul do Rio

Linha Verde recebe denúncias de crimes ambientais no sul do Rio

Moradores de todo estado podem usar o disque denúncia 0300 253 1177. Número funciona 24 horas; custo é de ligação local e anonimato é garantido.

RJ angradosreis cacadorMoradores do sul do Rio de Janeiro e de todo estado podem denunciar crimes ambientais através da Linha Verde, serviço criado em parceria entre o Disque-Denúncia e a Secretaria de Estado de Ambiente. Basta ligar para 0300 253 1177 — custo de uma ligação local — e passar as informações. As chamadas podem ser feitas 24 horas, todos os dias, têm anonimato garantido, não são gravadas ou rastreadas. As informações são da assessoria do Disque-Denúncia.

Através das ligações, a população pode denunciar crimes como caça e extração ilegal de vegetação — veja relação abaixo. Na terça-feira (30), uma operação foi realizada em Angra dos Reis para combater essas ações. Um homem foi preso no distrito de Cunhambebe com um esquilo e dez pássaros das espécies dorminhoco e araçari abatidos. 

Na cidade da Costa Verde, o Linha Verde recebeu sete ligações neste ano de 2014. Segundo a assessoria, fora quatro de maus tratos contra animais, uma de lixo aculumado, uma de extração irregular de árvore e uma caça ilegal de animais silvestres. No estado, desde janeiro, foram aproximadamente 4.100 denúncias. Pelo levantamento do órgão, o crime ambiental mais cometido é o de maus tratos contra animais, com mais de 390 ocorrências.

O Linha Verde possui parceria com o Comando de Policiamento Ambiental (CPAm). As informações recebidas são encaminhadas ao CPAm, que faz a apuração e a verificação das denúncias através de Unidades de Policiamento Ambiental (UPAm).

Crimes que podem ser denunciados

– Maus tratos contra animais;
– Soltura, fabricação e comercialização de balões;
– Extrações de solo, árvores ou areia;
– Queimadas;
– Lixão clandestino;
– Poluição do ar, das águas ou do solo;
– Caça ilegal de animais silvestres;
– Guarda/comércio de animais silvestres sem autorização (arara, canários, aves, etc);
– Desmatamento florestal;
– Fabricação e comercialização de cerol e linha chilena.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.