Lisboa: polícia abate cão a tiro na estação do Parque das Nações. Animal foi atiçado contra os agentes

Lisboa: polícia abate cão a tiro na estação do Parque das Nações. Animal foi atiçado contra os agentes

Um agente da PSP de Lisboa abateu um cão a tiro na estação de comboios do Parque das Nações, em Lisboa, Portugal. O acidente ocorreu na quinta-feira, 16 de novembro, da parte da tarde, depois de o animal ter sido atiçado contra os agentes pelo seu dono, um homem que estava a receber apoio médico por se ter sentido mal, noticia o “Jornal de Notícias” deste domingo, 19.

O caso terá começado perto das 14 horas quando as autoridades foram chamadas para ajudar uma equipa de emergência médica que estava dentro de um comboio a socorrer um homem, de 71 anos, que se havia sentido mal. O passageiro segurava um cão de grande porte por um trela e havia retirado o açaime improvisado que havia sido colocado no animal, por uma questão de segurança. O cão apresentava uma postura agressiva, rosnava, o que não permitia que a equipa médica fizesse o seu trabalho de auxiliar o homem.

O homem foi levado do comboio para a estação do Parque das Nações, onde continuou a ser socorrido. De acordo com um revisor da CP, citado pelo “JN”, o homem era um passageiro frequente e “circulava sempre com o cão sem açaime”. Quando os agentes da PSP chegaram, o homem ficou alterado e começou a insultar os polícias e a instigar o cão a ladrar aos agentes e a atacá-los. O cão “começou a rosnar e a ladrar na direção de um agente, tendo sido o suspeito advertido para acalmar o cão, não tendo acatado a ordem”, refere a PSP, citada pelo “JN”. Mas “devido à agressividade do canídeo, ao seu porte e por ter corrido em direção aos polícias, colocando em perigo a integridade física dos mesmos e de terceiros, foi efetuado o recurso efetivo da arma de fogo”. Ainda de acordo com o relatório policial citado, estes tiros causaram “lamentavelmente”, a morte do animal. O homem foi levado para o Hospital de São José, mas com ordem de detenção, e o animal foi recolhido e levado para uma instituição adequada.

Fonte: MAGG / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.