Macaco-prego é achado acorrentado dentro de cativeiro em Vilhena, RO

Macaco-prego é achado acorrentado dentro de cativeiro em Vilhena, RO

Suspeito teria capturado animal quando ainda era filhote. Após ser detido, homem foi levado à delegacia e multado em R$ 1 mil.

Por Aline Lopes

Um macaco-prego foi encontrado preso, em condições de maus-tratos no final, nesta sexta-feira (29) em uma propriedade rural de Vilhena (RO), no Cone Sul. O crime foi descoberto quando a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) e uma guarnição da Polícia Militar (PM) compareceram ao local para investigar uma denúncia de queimada. Ao procurar pelo suspeito, os agentes acharam o animal acorrentado dentro de uma gaiola. O sitiante de 31 anos foi detido e multado em R$1 mil.

De acordo com o boletim de ocorrência, na última terça-feira (26) um homem procurou a Delegacia de Polícia Civil do município para prestar queixa contra o sitiante. Durante o relato, ele disse que o trabalhador rural teria ateado fogo em uma área antropizada e destruído aproximadamente 12 hectares de capoeira, 120 lascas de madeira e várias vigas que pertenciam aos vizinhos.

Os agentes da Sedam e da PM tentaram localizar o suspeito na casa dele, mas ao invés de encontrá-lo, se depararam com o animal preso, sem água e alimentação. Minutos depois, o sitiante chegou e foi detido.

Em depoimento na delegacia, ele confessou que havia capturado o macaco quando este ainda era filhote e o mantinha domesticado há cerca de um ano e meio. Conforme o registro policial, o homem irá responder pelo crime de reter espécie da fauna brasileira em cativeiro e também por maus-tratos.

O gerente regional da Sedam no município, Pedrinho Muller, disse em entrevista ao G1 que o macaco está sob custódia do órgão e será transferido para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), em Porto Velho, na segunda-feira (1º). Já o suspeito, depois de detido, recebeu multa de R$ 1mil. A polícia ainda investiga a denuncia do incêndio na área rural ter sido criminoso.

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.