Macaco que nasceu no Zoobotânico de Teresina (PI) deve ser levado para santuário de primatas

Macaco que nasceu no Zoobotânico de Teresina (PI) deve ser levado para santuário de primatas

O Zoobotânico de Teresina é lar de diversos animais desde 1973. Entretanto, atualmente é um local que não possui tanta infraestrutura como deveria. Nesta segunda-feira (05), nasceu um filhote de ‘macaco barrigudo’ o que, de acordo com o ambientalista Dionísio Carvalho, pode ser um perigo, pois os macacos estão em um local pequeno e por conta disso, os filhotes podem ser mortos pelos outros.

Como gestor ambiental, Dionísio Carvalho afirma que os animais não podem permanecer nestas condições. “Nós vamos solicitar a transferência desses animais para santuários, da mesma forma que fizemos com a Ursa Marsha ”, declara. 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Dionísio Neto (@dionisiopiaui)

Segundo o especialista, a melhor forma de lidar com essa questão, é enviar os animais para santuários do Projeto Great Ape Project (GAP), onde podem ser preservados e cuidados da forma correta. Este projeto internacional tem como objetivo defender o direito dos primatas viverem em liberdade em seus habitats. Em santuários, os primatas são tratados de traumas físicos e psicológicos, tendo chance de se recuperarem e formarem grupos sociais, vivendo em um local com bastante espaço.

Ainda de acordo com Dionísio Carvalho, os animais andam estressados por conta do local em que vivem. “Não tem espaço para os animais que vivem lá, eles estão estressados. Alguns animais estão sozinhos, como a Leoa, depois que o Leão morreu”, informa. 

O ambientalista conta ainda que estão tentando enviar estes animais para os santuários que estão espalhados Brasil a fora. “Nossa intenção é que esses animais que estão solitários sejam levados para santuários pelo Brasil. Nós vamos procurar a Federação Brasileira de Proteção Animal”, conclui. 

Por Emelly Alves, edição de  Ithyara Borges

Fonte: Portal o Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.