Macacos do Projeto Mucky morrem após queimada em mata perto de viveiros, em Itu, SP

Macacos do Projeto Mucky morrem após queimada em mata perto de viveiros, em Itu, SP
Bugio estava sendo monitorado por equipes de veterinários em ONG, mas não resistiu após incêndios em área de Itu — Foto: Reprodução/Facebook

Dois macacos de uma ONG de proteção a primatas de Itu (SP) morreram depois que queimadas atingiram uma área de mata próxima ao viveiro da organização. As chamas começaram no dia 27 de setembro e duraram seis dias.

De acordo com a ONG, o fogo não atingiu os viveiros, mas a queimada refletiu na saúde dos animais e dois macacos morreram por estresse.

“A fumaça, o barulho e agitação anormal no nosso santuário provocam uma série de emoções na macacada. O medo e o estresse do pavor que estamos vivendo nos colocam completamente vulneráveis e fazem vítimas”, informou a organização em rede social.

Ainda segundo a instituição, um bugio chamado Hibisco morreu no dia 1º de outubro. Já o óbito de Néctar, um sagui, ocorreu no dia 30 de setembro. Ambos eram saudáveis.

Sagui morreu no dia 30 de setembro após queimadas em Itu. — Foto: Reprodução/Facebook

Queimadas
 
Polícia Ambiental fez uma perícia no dia 30 de setembro para identificar se é criminosa a queimada que ameaçou a ONG de proteção a primatas de Itu (SP).

Pelo menos 40 macacos foram retirados dos viveiros e levados para um local mais seguro, protegido do fogo e também da fumaça.
 
Vídeo: Macacos de projeto ainda não puderam voltar para viveiros após incêndio em Itu.

A instituição abriga cerca de 250 primatas vítimas de maus-tratos e tráfico de animais e atua há 35 anos. O local tem 20 mil metros quadrados e fica próximo a uma área de mata de difícil acesso.

São mais de 30 voluntários do Projeto Mucky que trabalham no local. Após a queimada, eles pediram ajuda nas redes sociais para arrecadar doações de equipamentos de segurança e água.

Queimada atingiu área próxima de ONG que cuida de primatas em Itu (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.