Mais de 180 animais marinhos são encontrados mortos em 2019, no Litoral da Paraíba, de acordo com ONG Guajiru — Foto: Arquivo/ONG Guajiru

Mais de 180 animais marinhos são encontrados mortos em 2019, no Litoral da Paraíba, diz ONG

Mais de 180 animais foram encontrados mortos nas praias da Paraíba em 2019. Os dados são da ONG Tartarugas Urbanas Guajiru. Em 2018, o número de animais mortos no litoral paraibano ultrapassou 150. Para a bióloga Rita Mascarenhas, fundadora da ONG, as possíveis causas para as mortes desses animais são os materiais poluentes que são despejados no mar e as redes de pescas.

De acordo com a bióloga, mais de 95% dos animais que apareceram mortos são tartarugas da espécie verde, além de golfinhos e baleias. Nos últimos 3 anos, foram 5 golfinhos e 3 baleias. Foram encontradas mortas também tartarugas das espécies de pente, oliva e cabeçuda.

“Geralmente, as tartarugas são encontradas com marcas de rede de pesca. Em segundo lugar, a maior causa de mortes destes animais está associada à ingestão de plástico e outros materiais poluentes”, explicou a bióloga.

Ainda segundo Rita Mascarenhas, o monitoramento da praias é feito diariamente com o objetivo de fazer registro de ninho, além de fiscalizar os animais que chegam vivos ou mortos às praias para tentar identificar as espécies e o que levou à morte deles. Há ainda uma fiscalização conjunta que conta com diversas prefeituras, além do apoio da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), para ter uma maior eficiência nessa busca. Segundo a ONG, não é possível afirmar que houve um aumento considerável de animais mortos em relação ao ano passado, já que houve um aumento na fiscalização.

Na última segunda-feira (28), foram encontradas 3 tartarugas mortas com marcas de redes de pescas, no litoral sul e na praia do Bessa. E, no início de setembro, houve registro de manchas escuras nas praias do Bessa e de Manaíra, em João Pessoa, decorrente do óleo que atingiu praias do Nordeste. Com isso, uma tartaruga foi encontrada morta coberta de óleo, na praia de Camboinha, no município de Cabedelo, contaminada pelo material.

“As tartarugas marinhas já estão ameaçadas de extinção e a água já está contaminada de diversos poluentes, independente do óleo que atingiu as praias. Porém, com a presença desse óleo é gerada uma cadeia de contaminação que vai culminar nos animais topo de cadeia e, infelizmente, as tartarugas que são mais atingidas estão nesse meio”.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.