Mais de 32 mil assinaturas pedem a proibição do ‘tiro ao pombo’ na nova lei de proteção animal da Galícia, Espanha

Mais de 32 mil assinaturas pedem a proibição do ‘tiro ao pombo’ na nova lei de proteção animal da Galícia, Espanha
Diversos grupos têm por anos se mobilizando contra este campeonato (Foto: Diário de Pontevedra)

A Associação Animalista Libera recolheu através da Internet mais de 32 mil assinaturas pedindo para que a proibição do Tiro ao Pombo seja incluída na modificação da lei de proteção animal que anunciou o Conselho Administrativo da Galícia.

A Libera divulgou um comunicado relembrando que os campeonatos de tiro ao pombo que, todavia, sobrevivem nas localidades de Trazo (A Coruña) e O Grove (Pontevedra) permanecem “na legalidade graças a um estranho anacronismo jurídico contido na vigente Lei de Proteção Animal de 1993”.

Os animalistas indicaram que o atual marco regulador “exclui da consideração de maus-tratos” duas questões: as touradas e suas derivações e o tiro ao pombo.

Esta modalidade de caça consiste na liberação de aves jovens, com asas e rabos mutilados, em uma competição em que o caçador vencedor é o que conseguir abater o maior número de pássaros.

A campanha – que através da plataforma charge.org já conseguiu mais de 32 mil assinaturas – também pede ao governo galego que a Secretaria Geral de Esportes deixe de subvencionar as entidades que organizam este tipo de atividades.

A Libera também iniciou uma série de contatos com vários grupos políticos para “tratar uma prática que foi abolida em 1984 na Itália, precisamente pela extrema crueldade que era exibida nas competições”.

Abaixo-assinado:

https://www.change.org/p/xunta-de-galicia-prohibid-la-cruel-pr%C3%A1ctica-del-tiro-al-pich%C3%B3n

Tradução de Flavia Luchetti

Fonte: La Informacion

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.