Mais de 80 aves silvestres foram entregues voluntariamente em Ibotirama, BA

Mais de 80 aves silvestres foram entregues voluntariamente em Ibotirama, BA
Aves entregues. Foto: divulgação

A equipe Preventiva e Integrada (FPI) do São Francisco, que reúne o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e a ONG Animallia, resgataram no primeiro dia de atividades mais de 80 aves silvestres.

Na 49ª etapa de fiscalização houve a entrega de 82 aves silvestres aos fiscais de forma voluntária, além da fiscalização de criadores irregulares, em Ibotirama. A força tarefa ocorre em 10 municípios da região oeste da Bahia.

As principais espécies encontradas foram Cardeal do Nordeste, Sabiá, Canário-da-terra, Periquito da Caatinga, Papagaio, Azulão, Bigodinho e Papa-capim. Durante as incursões feitas, tanto na zona urbana quanto na rural, os agentes averiguaram a situação dos criadores registrados no Sistema para Gestão de Criadores de Passeriformes Silvestres Nativos do Estado da Bahia (Sispass).

A equipe informou que os animais que eram mantidos em cativeiro irregularmente e com suspeitas de maus-tratos, os criadores foram autuados e os animais resgatados. “Notamos, nesta fase, uma adesão significativa da população ao procedimento da entrega voluntária, as pessoas ao avistarem os veículos da operação estão nos procurando para entregar as aves que mantinham em suas residências”, ressaltou o técnico do Inema e coordenador de uma das equipes de Fauna da FPI, Frederico Coelho.

Em paralelo à fiscalização, também está sendo feito um trabalho de educação ambiental e sensibilização junto as comunidades. Segundo o agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Marcus França, uma equipe está empenhada para orientar a população com a realização, por exemplo, de palestras nas escolas da região: “os agentes ambientais e policiais estão percorrendo os municípios para coibir as práticas ilegais e, ao mesmo tempo, exercer atividades de cunho da educação ambiental. A fiscalização exige um trabalho minucioso, desde o planejamento, com a definição de estratégias de abordagem, de inspeção e atendimento às denúncias que possam ocorrer durante a FPI”.

Ainda de acordo com França, a equipe atua em três frentes, com fiscalização em campo dos criadores amadores cadastrados no Sispass, verificando se estão atendendo aos requisitos estabelecidos nas legislações estadual e federal, assim como aqueles animais em situação de cativeiro ilegal, ou seja, sem as devidas autorizações e registros: “estamos preparados para analisar todas as condições, desde documentais até as de caça e maus-tratos aos animais silvestres, de acordo com os artigos 29 e 32, respectivamente, da Lei Federal 9.605/98”.

A retirada de animais silvestres, adultos ou filhotes, de seus habitats naturais ocasiona uma redução significativa nas populações de diversas espécies e no desempenho de seus papéis ecológicos na natureza, como na dispersão de sementes, reprodução e predação natural de insetos e outros animais, entre outros.

Um exemplo de amor e proteção aos pássaros silvestres Dona Diva, moradora do povoado do Alecrim, município de Paratinga, ao avistar a equipe da FPI fez questão de convidar a todos para conhecer o quintal de sua casa e mostrar que a melhor forma de apreciar o canto dos pássaros é com eles livres na natureza. “Aqui, é tudo muito simples, mas tem uma coisa que eu adoro fazer que é ouvir os passarinhos cantando soltos na natureza, comendo as frutas direto nos pés de goiaba, pinha e manga. Os bichinhos vivem mais feliz livres, voando pra todos os cantos. Então, nós temos que trabalhar para nós e os outros também pensem assim”.

Proteção da fauna silvestre Os animais resgatados, apreendidos e recebidos voluntariamente, são encaminhados para uma base provisória do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), montada no Colégio Estadual Marechal Castelo Branco, localizado na Rua Pedro Olimpio de Souza, no centro da cidade de Ibotirama.

O cidadão que deseja realizar a entrega voluntária de animais silvestres deve se dirigir ao Cetas, das 9h às 12h e das 14h às 16h. É importante ressaltar que, no ato da entrega voluntária, o responsável não será multado nem responsabilizado criminalmente.

Por João Miguel

Fonte: Folha do Vale