Mais dois cães morrem após suposto envenenamento em MG; número de óbitos sobe para 67

Mais dois cães morrem após suposto envenenamento em MG; número de óbitos sobe para 67
Ainda muito abalada, Cláudia informou sobre a morte dos animais.

Mais dois cães morreram após serem supostamente envenenados no último sábado (14) em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte. Os dois animais estavam abrigados Lar Temporário Entre Latidos e Miados, onde outros 65 cães também morreram após passarem mal. Cinco cães ainda permanecem sob cuidados veterinários.

A informação das mortes foi dada por Cláudia Araújo, responsável pelo abrigo. À reportagem de O TEMPO, ela contou que os cães passaram mal enquanto estavam sendo transportados de Ribeirão das Neves para o novo endereço do abrigo, no bairro Quintas do Jacubá, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte

“Infelizmente perdemos quase todos”, diz Cláudia. Visivelmente emocionada, ela conta que uma das vítimas de hoje era sua e tinha sete anos. 

Outra vítima, uma cadelinha chamada Anvisa, estava prestes a ganhar um novo lar. “Ela foi para minha casa para ficar por 30 dias, ela iria embora no dia 3. Já tinha ganhado a adoção. Ela veio de Brumadinho e infelizmente foi uma das vítimas”, contou a responsável pelo abrigo.

Vizinha do abrigo, Maria Dulce, de 67 anos, disse que não imaginava a dimensão do suposto crime. Ela esteve no local no final da tarde e se deparou com o cenário desolador. “Eu ainda falei depois que não deveria ter ido. Fui porque eu não sabia da situação, mas não gosto de ver essas coisas, depois fico com isso na cabeça”, confessou.

Suspeita 

Cláudia afirmou que os cães haviam se alimentado apenas com ração e que o transporte entre as cidades foi feito com segurança. A suspeita de envenenamento, que já havia surgido com os sintomas apresentados pelos cães, ganhou  força quando um dos animais foi atendido em uma clínica veterinária e vomitou pedaços de salsicha.

“O material foi recolhido e levado à perícia. Estamos esperando o resultado, ontem eles vieram aqui, colheram o sangue. Alguns deles estão na UniBH para fazerem exames”, explica Cláudia.

Sobreviventes

Além dos cinco cães que ainda estão internados, outros cinco filhotes e uma cadela mais velha continuam no abrigo. “Eles não tiveram acesso ao local onde os cães estavam, por isso sobreviveram”.  Os gatos, que também não estavam no mesmo local, estão bem.

Por Jéssica Malta

Fonte: O Tempo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.