Maratonista é atacada por uso durante prova nos Estados Unidos

Maratonista é atacada por uso durante prova nos Estados Unidos

Fato foi registrado na Reserva Nacional Valles Caldera, no Novo México.

Uma maratona realizada há dez dias na Reserva Nacional Valles Caldera, no Novo México, Estados Unidos, terminou de maneira trágica, com a posterior morte do animal. Ao chegar no quilômetro 37, a maratonista Karen Williams se deparou com uma ursa negra e seu filhote e acabou sendo atacada.

“Eu comecei a gritar de dor, o que deve ter incomodado o animal, que me bateu com a pata esquerda, mordeu o meu pescoço e começou a me sacudir.Por causa da patada, eu fraturei a órbita direita e perdi partes da pálpebra e da sobrancelha. Também sofri ferimentos na barriga, além de diversas outras escoriações pelo corpo”, disse Karen, via Facebook. Ela afirmou ainda ter se fingido de morta para fazer com que o animal se sentisse fora de perigo e se afastasse.

Pouco depois do ataque, o urso foi rastreado e sacrificado por oficiais do Departamento de Caça e Pesca do Novo México sob a alegação de que era necessário verificar se ele portava raiva, doença fatal quando transmitida a humanos. “É lamentável quando o encontro de um animal selvagem com um humano resulta em ferimentos e precisamos sacrificá-lo”, disse uma nota das autoridades.

O filhote está sendo procurado para ser levado a um centro de vida selvagem.

Fonte: Noticias ao Minuto 

Nota do Olhar Animal: Mais um caso de estúpida vingança contra o animal. Óbvio que não era “necessário” e nem justificável matá-lo para “verificar se ele portava raiva, doença fatal quando transmitida a humanos”. Bastaria tomar as medidas médicas em relação à maratonista. A ação abjeta, de acabar com a vida do urso, foi da mais primitiva retaliação. 

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.