Marcha conscientiza sobre direitos dos animais em Extrema, MG

Marcha conscientiza sobre direitos dos animais em Extrema, MG

Defensores e amantes da vida animal saíram às ruas do Brasil para protestar e realizar a Marcha Nacional da Defesa Animal, no domingo, dia 18 de setembro. Em Extrema a ação foi coordenada pela ONG Soul Animal. A marcha saiu da Praça Presidente Vargas, conscientizando as pessoas sobre os direitos dos animais e a importância da castração, vacinação, abrigo, água, comida, espaço para que o animal possa se locomover e cuidados veterinários. Esta foi a 5ª edição da Marcha da Defesa Animal em Extrema e a 4ª Marcha Nacional.

Apesar de reunir um número menor de pessoas na passeata, esta edição da manifestação foi a que registrou um maior número de pessoas na rua no momento da ação, “o que para nós, organizadores, foi bom, pois o objetivo de alcançar e conscientizar o maior número de pessoas foi alcançado, já que quem está marchando já sabe de todas as questões”, afirmaram os organizadores.

Segundo a fundadora da ONG, Bella Guima, Extrema ainda padece com o abandono e maus-tratos contra animais, sendo que 45% dos casos relatados no município são de animais doentes em estado lamentável. “Poderia ter sido evitado se seus donos tivessem levado seu animal para uma consulta veterinária quando a enfermidade ainda estava no começo. Então, se notar um comportamento diferente no seu animal, como aparente tristeza, queda de pelos e perda de apetite, leve-o ao veterinário, pois ele pode estar começando a ficar doente”, alertou.

Ainda de acordo com dados da ONG Soul Animal, em 30% dos casos os animais estão abrigados em locais inadequados ao seu tamanho e presos em correntes minúsculas; 20% representam ausência de água e comida para o animal e 5% são casos em que houve uso de violência contra o animal. Vale lembrar que maltratar animais é crime previsto em lei.

Neste ano, a entidade registrou mais de 200 denúncias de animais abandonados. De janeiro até agosto, o Centro de Zoonoses registrou o recolhimento de 55 animais atropelados, 35 doentes e lesionados e 15 que eram agressivos e estavam abandonados pelas ruas atacando pessoas.

“Se você cidadão conhece alguém que maltrata animais, tente conscientizá-lo para que saiba o mal que causa e para que conheça as leis de proteção em favor dos animais. Se a conversa boa não adiantar, procure colher provas, filmar a ação dessa pessoa e denunciar”, orientou Bella Guima durante a Marcha da Defesa Animal.

Fonte: Gazeta da Cidade

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.