‘Mascotes’ da UFMS, gatos são achados mortos e alunos suspeitam de envenenamento

‘Mascotes’ da UFMS, gatos são achados mortos e alunos suspeitam de envenenamento
Um dos gatos encontrados no entorno do Morenão. (Foto: Direto das Ruas)

Os gatos que são “moradores” ilustres da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e verdadeiros mascotes para boa parte dos alunos, podem ter sido alvos de envenenamento. Três animais, um deles filhote e um gambá foram encontrados mortos no último sábado (16) no entorno do Estádio Morenão.

Os animais não tinham ferimentos e estavam próximos aos potes de ração, que foram deixados no local pelos próprios estudantes. Quem encontrou os corpos foi um dos acadêmicos, de 21 anos, que há oito meses é um dos voluntários do projeto de extensão “Grupo de Proteção Felina”, que não só providencia a alimentação como também viabiliza os procedimentos veterinários dos animais.

Filhote de gato foi encontrado próximo ao pote de ração. (Foto: Direto das Ruas)

“Sou eu o responsável por alimentar os gatos do entorno do Morenão, mas quando cheguei ao local no último sábado notei que havia algo atípico. Eles sempre me perseguem enquanto eu distribuo a ração, mas dessa vez isso não aconteceu. Foi então que eu encontrei os primeiros corpos na rampa de acesso a torcida”, comenta o garoto que pediu para não ser identificado. No local, segundo o acadêmico estava um animal adulto e um filhote.

“Eles estavam desfalecidos a cerca de um metro do pote de ração. Verifiquei os corpo, não havia nenhum sinal de agressão ou mordida, eles estavam intactos”, comenta o garoto. No domingo (16) até um gambá foi encontrado pelos seguranças da instituição próximo ao local. “Eles também tem o costume de comer a ração dos gatos então podem ter se envenenado também”, completa.

Outro fator preocupante, segundo o estudante, é que nenhum outro animal foi visto no entorno do estádio durante o final de semana. “Nosso medo é de que muitos outros também tenha sido envenenados, mas possam ter morrido nos lugares escondidos por onde eles passam. Próximo da rampa também senti o forte odor de carniça, mas não consegui averiguar o que era porque era um local de difícil acesso”, diz.

Só nesta segunda feira é que os animais voltaram a aparecer. “Mas ainda demos falta de muitos outros”, completa. Os voluntários do projeto procuraram a segurança da instituição da UFMS, mas nenhuma câmera flagrou o possível envenenamento dos animais. Eles também não descartam a hipótese do animais terem se contaminado com o veneno utilizado durante uma suposta dedetização pela qual a universidade passou na sexta-feira (13), um dia antes dos gatos serem encontrados mortos.

“É revoltante porque nos apegamos a esse bichinhos, cuidamos desses gatos sem nenhum tipo de apoio, damos ração, castramos”, desabafa o estudante. A reportagem encaminhou a ocorrência para a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), via assessoria de imprensa e aguarda o retorno da instituição. 

Por Adriano Fernandes

Fonte: Campo Grande News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.