Mata Ciliar reabilita animais queimados por incêndio na Serra do Japi, em SP

Mata Ciliar reabilita animais queimados por incêndio na Serra do Japi, em SP
Jaguatirica foi atendida pela equipe da Mata Ciliar. (Foto Associação Mata Ciliar)

Com a grande queimada que tomou conta da Serra do Japi há dias atrás e, consequentemente, afetou Cabreúva e outras cidades da região, muito se comentou sobre o serviço da Associação Mata Ciliar; uma verdadeira equipe de heróis que começaram seu trabalho, primeiramente, atuando na recuperação de rios e nascentes da região do Circuito das Águas Paulista. Com tempo e uma dedicação cada vez maior às comunidades rurais, passaram a atender acidentes que envolviam animais silvestres.

Chegada à região

Tendo atuado como referência, no ano de 1995 chega o convite para a associação instalar-se em Jundiaí, onde implantou a coordenadoria de fauna atuando com Centro de Reabilitação de Animais Silvestres e com o Centro Brasileiro para Conservação de Felinos Neotropicais.

Referência

Mais de 140 municípios de todo o estado de São Paulo contam com a colaboração da AMC. Além disso, possuem parceria com 11 municípios da região. sendo: Bragança Paulista, Campo Limpo Paulista, Cajamar, Indaiatuba, Itatiba, Itupeva, Jundiaí, Louveira, Paulínia, Valinhos e Vinhedo.

Através dessas parcerias são viabilizadas 5 linhas de programas voltados para Extensão Rural (proteção de rios e nascentes, conservação de solo, saneamento rural e capacitação das famílias do campo para geração de renda); Viveiro de Mudas (produção de espécies nativas de Mata Atlântica e Cerrado); Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres); Centro Brasileiro para Conservação de Felinos Neotropicais (pesquisa e conservação das 9 espécies de felinos brasileiras); Educação Ambiental (programa voltado para a sensibilização das pessoas através de diversas atividades e vivências).

Onça precisou ser resgatada pela equipe da AMC em plena Rodovia Anhanguera. Foto: Associação Mata Ciliar.
Onça precisou ser resgatada pela equipe da AMC em plena Rodovia Anhanguera. Foto: Associação Mata Ciliar.

A queimada e o prejuízo à fauna

A última queimada que afetou partes da Serra do Japi devastando mais de 11 mil metros quadrados de mata que pertencem a Cabreúva, Pirapora do Bom Jesus, Cajamar e Jundiaí fez com que inúmeras ocorrências com animais fossem registradas. Sendo assim, o trabalho da Mata Ciliar mostrou-se fundamental.

Nossa equipe de jornalismo entrou em contato com estes verdadeiros heróis. Eles nos informaram que muitos bichinhos foram resgatados literalmente queimados, e outros, foram vítimas indiretas, afinal, precisavam fugir das chamas.

Infelizmente uma grande parte dos animais acabou não resistindo aos ferimentos, já os que se salvaram estavam com diversas lesões graves, além de sofrerem de intoxicação por inalarem muita fumaça.

Esta é a situação de um tamanduá-bandeira que sobreviveu a um incêndio. Foto: Associação Mata Ciliar.
Esta é a situação de um tamanduá-bandeira que sobreviveu a um incêndio. Foto: Associação Mata Ciliar.

Vida!

Apesar de muitas mortes, um ouriço-cacheiro resgatado pela Defesa Civil de Campo Limpo Paulista, é tido como um grande exemplo de sobrevivência. Ele chegou tostado pelo fogo, principalmente nos membros e na face, com lesões dos olhos, além de ter inalado muita fumaça. O prognóstico era muito ruim, mas ele respondeu bem ao tratamento, e hoje, tem boas chances de sobreviver.

Apesar de nem todos terem a oportunidade de serem reabilitados, pois perdem membros como perna, cauda ou sofrem lesões e fraturas muito graves, que impossibilitam a sua mobilidade, o bichinho, aos poucos, será reabilitado e voltará são e salvo à natureza, como o caso desta onça:

Fonte: Portal da Cidade Cabreúva

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.