SC Icara mau-trato mobiliza H

Maus-tratos a animal mobiliza região de Içara, SC

Por Mayara Cardoso

Ainda repercute nas redes sociais um vídeo publicado nesta semana, em que um cão pequeno é atacado por um pitbull dentro do terreno de uma casa no bairro Jaqueline, em Içara. Na gravação, os proprietários do animal o incentivam a atacar o cachorro menor. Não fica claro quem gravou o vídeo e nem como o cão atacado foi parar dentro do terreno. A suspeita é de que o próprio morador o tenha colocado.

Ao tomar conhecimento do vídeo, ONG Amigo Bicho registrou um boletim de ocorrência e levará o caso ao Ministério Público.  “Agora vamos cobrar para que a justiça seja feita. Infelizmente as leis ainda não muito brandas, mas esperamos que haja uma punição”, declara o presidente da Amigo Bicho, Carlos Alberto Fiorenza. Segundo ele, deve-se tomar o caso como um exemplo para que sejam reduzidos os casos de maus-tratos de animais em Içara e na região. “Casos com essa gravidade são raros, mas envenenamentos e abandonos ocorrem todos os dias”, relata.

Outras ONGs de defesa dos animais, como a SOS Vira-Lata, de Criciúma, também informaram pelas redes sociais que iriam monitorar o desfecho do caso içarense. “A violência deve ser banida e afastada de nossos lares e família, em qualquer grau ou forma em que ela se apresente”, manifestou a SOS Vira-Lata.

ONG fará manifestações em fevereiro

A ONG Amigo Bicho promoverá, em fevereiro, manifestações contra a violência envolvendo animais. Ainda não há datas definidas. “Faremos duas mobilizações. Uma no bairro Jaqueline e outra no Jardim Elizabeth, que são os locais onde mais há registro de maus-tratos”, afirma Fiorenza.

Maltratar animais é crime ambiental

Lei Federal 9.605/98

Art. 32º – Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:

Pena: detenção, de três meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.

§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

Apaixonados por animais lamentam o fato

Para os defensores dos animais, um caso como o denunciado ontem pelas redes sociais é um grande retrocesso diante de todo o trabalho feito diariamente em busca de uma maior conscientização quanto ao assunto. Para a jovem Caroline Cavalheiro Pacheco, de 24 anos, e sua família, que há 15 anos realizam projetos em prol dos animais, a situação é lamentável. “Eu, sinceramente, nem consegui assistir ao vídeo. Estou chocada, revoltada e com vergonha de pertencer a mesma raça que esse ser humano”, comentou.

Sobre a possibilidade de outros animais terem sido entregues para que o cão mostrado no vídeo atacasse, Caroline pediu piedade. “Peço a Deus que tenha aliviado a dor desses anjinhos que caíram na mão desse monstro. De maneira alguma culparia o cachorro, até porque a educação deles vem de casa. Lamento muito por ter feito pouco e não ter podido salvá-los”, completou.

Na opinião da jovem, uma política voltada à educação nas escolas poderia auxiliar para que casos como esse não voltem a acontecer. “A educação começa na infância. Uma criança sem conhecimento acha que tudo é brinquedo e quando cresce pode se tornar igual ao rapaz que fez essa maldade”, defendeu a jovem.

SC Icara mau-trato mobiliza

História de apoio

Caroline cresceu em meio aos animais e herdou da mãe a paixão pelos cachorros. Há 15 anos a família luta pelos animais e, neste tempo, já chegou a acolher 38 cães abandonados no terreno de casa. Atualmente a atenção é voltada a 25 animais adotados. “Todos foram tirados das ruas, com histórias tristes, mas com final feliz. Hoje lutamos para conseguir doar alguns, pois moramos em um lote pequeno e sem espaço para todos, mas são bem tratados”, comentou.

Há um ano a família conseguiu doações de ração para ajudar no orçamento, já que até então tudo era pago com recursos próprios. A dedicação, para ela, é recompensada pelo amor dos animais. “Muitas vezes deixamos de aproveitar o final de semana com a família para cuidar dos cachorros, por exemplo. Estamos sempre revezado os cuidados, mas não nos queixamos. O que é feito com amor é recompensado com o carinho deles”, finalizou.

Fonte: Portal Clic A Tribuna

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.